22 de janeiro de 2016

HIBERNANDO

(Alex Alemany )

                                             
Quando descobri o mundo dos blogues fiquei encantada. Nada entendia sobre seu funcionamento e passei dias e dias pesquisando na internet, até conseguir ter o meu. Cometi muitos erros e fui aprendendo, com aqueles que chegavam, como se processavam as relações no mundo virtual. Ainda hoje, observo, leio, pesquiso, no intuito de deixar meu espaço personalizado e bonito (aos meus olhos).

Este foi meu primeiro blog e tenho por ele um carinho imenso. Sou, no entanto, meio irrequieta, e gosto de recomeçar. Assim, da mesma forma que procedi com o VISÃO FEMININA, vou deixar o MOMENTOS FRAGMENTADOS hibernando por algum tempo.

Uma vez que não consigo ficar sem escrever, criei outro, o RESPIRO DA PALAVRA (respirodapalavra.blogspot.com). A casa está aberta a todos que desejarem fazer uma visita. Por certo, serão carinhosamente acolhidos e me deixarão feliz.  Para entrar, basta clicar no selo que está na barra lateral.



                                                        Marilene





10 de janeiro de 2016

REFLEXÕES DE ANIVERSÁRIO

(Pierre-Chevassu-paintings)



                                       
Já fui só noite
 E já fui só dia,
   Mas a vida me fez misturar 
As horas e as estações,
Sem que a nenhuma me prendesse

Já fui inteira
E já fui pedaço
(de inocência e de pecado)
Em momentos esparsos
Que ficaram na memória.
Na maioria deles, bem sei, 
Fui apenas ínfima parte
De um todo
Que vai além,
Muito além de mim.

O riso de algumas horas
nelas se perdeu
E a angústia de outras delas
também se foi ...
Não me pertence a luz
Ou o nublado de instantes
Vividos, sonhados,
compartilhados,
Que em mim não fizeram morada.

Bordei teias
Que como a areia
Ouviram a música das águas
E por elas foram levadas,
Impedindo que me acomodasse
Em qualquer traçado
Ou me perdesse no balanço
Da rede ilusória do sonho,
Abraçando imaginária e eterna varanda
Frente ao mar

E nesse caminho
De alternância entre silêncio e burburinho
Conduzi meus passos
Por mais um ano.
Alguns desenhos não justificaram tela
E amassados foram ao lixo
lançados,
Levando consigo lembranças
Do que não foi, não existiu,
E não justificou os traços da caneta
No diário da vida

Meu presente abraça saudades
E contempla anseios ,
Mesmo que sem lúcida e clara definição.
A forma tresloucada dessa mistura
Faz com que ignore os relógios
   Do corpo, da mente e do coração ...

Voo para dentro
Do novo ciclo que me é oferecido ...
Bato de leve as asas
Para que a harmonia
Dos movimentos me vista,
Tão somente,
De beleza e de esperança,
Pois ainda não abdiquei dos sonhos
Nem afastei meu olhar
Dos horizontes 
(talvez do espelho)

E por não mais fazer a contagem dos anos
(colocada , hoje, em segundo plano)
Faço um brinde à vida!


                                                                    Marilene



10 de dezembro de 2015

SOMBRAS DA NOITE

(Marta Orlowska)

                                       
                             Abraço as sombras da noite,
                             Sem queixume.
                             Entrego-me à brisa e à 
                             Pouca claridade,
                             Permitindo que apenas a lua
                             Em sua fase minguante
                             Habite o meu olhar
                           
                            O tempo emudece.
                            Cessa a musicalidade do universo.                       
                            Não sinto saudade
                            Do falso brilho
                            E da alegria duvidosa
                            Que já me estimularam a dançar

                            É tão cômodo o silêncio!

                            Alhures, alguém fala de amor,
                            Entregando-se ao prazer
                            De corpos unidos
                            E de almas em festa.
                            E, também, alhures,
                            Sei que choram almas dilaceradas
                            Por afiadas adagas ...
                            Corações perdidos na dor

                            Abraço as sombras da noite,
                            Ora queridas companheiras,
                            Enquanto balançam as recordações
                            Na imortalidade dos sonhos,
                            Onde sussurros brincam
                            Dizendo e desdizendo 
                            Palavras que se foram ...

                            Mas que serão minhas para sempre

                            Talvez, no amanhã, os caminhos acordem,
                            Afastando as encruzilhadas
                            E tingindo de certezas
                            O  minado campo dos desencontros


                                                              Marilene




30 de novembro de 2015

UMA SIMPLES PALAVRA

(Jungshan )
                               


                          No inquietante silêncio,
                          Um murmúrio insistente:
                          -Dê-me vida!
                          Lá dentro, portas fechadas
                          Se recusavam a ouvi-lo.
                          Digladiavam-se os sentimentos
                          Em busca de paz
                          E corria o sangue
                          Em fervor ...
                          Campo minado
                          Corpo suado
                          Difícil momento de ansiedade

                          -Dê-me vida!
                          Mais uma vez o pedido
                          Que de ousado incomodava ...
                          Como pescar estrelas
                          No nublado das horas?
                          Como encontrar a certeza
                          Quando a soberania do sentir
                          Habita a escuridão?
                          Fora o céu conquistado
                          Ou era tudo  ilusão?

                          E o murmúrio persistia:
                          -Dê-me vida!
                          Já cessaram as tempestades,                        
                          Já foi radiografado, com riqueza,
                          O relâmpago do olhar ...
                          -Dê-me vida, 
                          Ou estará a chorar
                          Na despedida

                                        .............

                          Silêncio quebrado ...
                          A sonoridade da voz
                          Ainda que prejudicada
                          E quase inaudível
                          Deu vida à palavra:
                          -Fique!
                          Cessaram os murmúrios
                          E os lábios acordaram
                          Os sorrisos.
                        
                          A coragem abraçou
                          As asas dos sonhos!


                                                         Marilene




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...