6 de outubro de 2011

O BILHETE



                                                     


                                 Procuro no verso a força
                                 Que do anverso fugiu
                                 Tal qual a escrita a lápis
                                 Que escapuliu
                                 Com as lágrimas já caídas
                                 Sobre o bilhete de adeus,
                                 Versos seus
                                 Inspirados e poéticos
                                 Para aquela despedida
                                 Só de um lado sentida


                                 Busco no avesso a ordem
                                 Que se desfez no real
                                 Nas roupas ao léu
                                 No gosto de fel
                                 Na cama desarrumada
                                 E ainda quente
                                 Sem perceber que do seu lugar
                                 Estava ausente



                               Viro e desviro
                               Levanto e abaixo
                               O papel em branco,
                               Só vejo manchas de preto
                               Que não desdizem
                               O que  foi lido,
                               Só existem marcas
                               E uma lembrança
                               Nesse grafite, que ainda escorre,
                               E que ora diz, por conta própria,
                               Não pense nele, não tem mais volta


                                                                   (Marilene)


Imagens tiradas da internet . Se, inadvetidamente, estiver ferindo direitos, gentileza comunicar, para imediata correção.

37 comentários:

  1. Ele diz, manda, mas o coração não aceita..Lindo!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Ah Marilene, disseste tudo minha querida. Sua sensibilidade, o meu momento. Tão bom te ler.
    Um forte abraço repleto de carinho.
    *-*

    ResponderExcluir
  3. Marilene, gosto muito de te ler.
    O sentimento se encaixa tão bonito aqui.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  4. Oi, o teu momento ou o meu momento,não importa, mas o meu,eu sei: não tem volta!
    Lindo teu poema,O Bilhete*
    "procuro no verso a força"...
    Exatamente, é o meu momento sim.
    Beijo da Mery*, complicadíssima... postei sobre a realidade cruel do meu Brasil, se puder dá uma olhadinha e vê se gostas.

    ResponderExcluir
  5. Que versos doloridos esses minha amiga!
    Quando só ele quer dar adeus dói.
    Vc simplesmente foi perfeita nessa descrição. Adorei!
    bjokitas na sua bochecha com amor :)

    ResponderExcluir
  6. Poema triste, sensivel e profundo!!
    Só você, amante dos versos, para transmitir sentimentos tão bem assim...

    Tenha um Belo Fim de Semana!!
    Beijinhos Iluminados!!!

    ResponderExcluir
  7. Bom dia, amiga.


    Poema triste, de amor saudade e dor.

    Quem parte pode até levar saudade, mas quem fica , chora de dor.

    Um beijo de luz no seu coração.

    Tenha um lindo dia de paz.

    ResponderExcluir
  8. I love your work so much, it's FANTASTIC Marilene.

    This makes me happy.

    Greetings and a nice weekend,

    hugs, Joop

    ResponderExcluir
  9. Marilene,
    Seus versos encantam mesmo falando de tristeza e dor...Pior é receber um email ou sms dizendo Adeus!A carta,o bilhete escrito é ainda romântico!
    Abraço carinhoso,bom final de semana!

    ResponderExcluir
  10. os mandos e os desmandos do coração. ah, quantas vezes este é o carrossel das indefinições do ser?
    beijinho!
    p.s. querida amiga, quero agradecer-te a distinção que muito me honrou. terei o maior gosto de, dentro em breve, replicar ao desafio que me lançaste. já li o teu, que adorei.
    um beijinho e um poema!

    ResponderExcluir
  11. bom dia...acredito que enquanto houver esperanças, havera papel em branco para se escrever uma nova e linda historia, mas sem nunca desistir...bjin

    ResponderExcluir
  12. Entre sonhos e inquietudes da alma a intensa busca de se encontrar...beijos de bom final de semana pra ti.

    ResponderExcluir
  13. Dúvidas, certezas, incertezas um fazer e um desfazer... isso também é o amor.
    Gostei muito da sua poesia!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  14. Olá Marilene. São versos triste, verdades doloridas. Sentimentos profundos de perda que fazem parte do amor. Vc se expressa como ninguém. Lindo amiga! Olha! passa lá no blog star, tem uma brincadeira para vc... Obrigada pelo carinho. bjos.

    ResponderExcluir
  15. Lindo,Mari!Não tem muito o que dizer...pra mim,quando acaba,é melhor não voltar mais mesmo como diz no final.
    Obrigada por deixar teu comentário no Paulo Cheng sobre mim,pelas tuas palavras gentis,e por passar no blog deixando tua impressão sobre o ultimo 4 por 4,de coração.
    Bom fds,bjka

    ResponderExcluir
  16. O Poeta já escreveu o "Soneto de Fidelidade".
    E a Poetisa escreve agora os "Versos de Adeus".
    Belíssimo! Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Oi Marilene, poetisa feita, que sabe escrever. Muito bom.
    Um abração. Tenhas um lindo fim de semana.

    ResponderExcluir
  18. MARILENE, VC ESCREVE MUUUUITO BEM! PARABÉNS, FLOR!


    Olá...Sou escritora e estou sorteando o livro da amiga Adriana Vargas no meu blog:
    Venha participar com a gente!
    “...Não sabe ao menos se me quer como sou, ou se me afasta por ter medo de não ser feliz por toda a sua vida...”
    O Voo da Estirpe é um livro que mexe com o leitor, impossível sair igual após a leitura! A escritora foi completamente feliz na escolha do enredo e principalmente a maneira magnífica de organizar as ideias!
    Forte- ousado-verdadeiro!
    É um livro que vai até as entranhas do ser humano e te desnuda, e desafia!
    Clarice é uma mulher que vive sozinha, não quer apaixonar-se, mas também não quer ficar sozinha. É uma mulher que reflete e sente. Que pensa e questiona!
    Klaus é um homem romântico que desafia os conceitos amorosos de Clarice. Ele a vai guiando até o amor sublime. Tem uma visão privilegiada do mundo e a divide com Clarice - a mulher que ele ama.
    O leitor vai sentir uma imensa paz, vai rir, vai chorar, vai torcer pelos dois! A cada novo capítulo o leitor vai se envolvendo na história e se pudesse, entraria nas páginas e os apoiaria!
    Quantas vezes deixamos de amar alguém por que temos a convicção de que não durará muito? Pode ser por uma diferença de idade, uma doença, diferença geográfica ou religiosa! Deixamos de tentar pelo simples fato de pensar que não dará certo!
    A autora aborda a questão de viver o momento! Ser tão feliz, tanto quanto é possível, no momento.
    Lembrei - me da borboleta, que tem a vida tão curta, mas vive o seu momento de borboleta e é feliz!
    Tenho 2 blogs...mas aquele que estou acessando no momento é do meu livro:.
    Bjs -
    http://amazoniaumcaminhoparaosonho.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Olá,Marilene!!

    Ah!Tão triste quando um coração fica magoado...
    Lindos versos!Sempre inspirada!!
    Beijos pra ti poetiza!
    Bom final de semana!!
    Até segunda!

    ResponderExcluir
  20. Bellísimo texto de extraordinaria sensibilidad.Un placer seguirte.T invito a seguir mi blog.Saludos poéticos.

    ResponderExcluir
  21. MANA,
    Poema encantador, não obstante traduzir o momento triste de um adeus deixado através de um bilhete.
    Os versos são lindos e mostram muita sensibilidade e dor.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. Oi Mari, é sempre um prazer a mais ler teus versos moça!
    Eles descem cortando e geram musicalidade por si só. E as rimas são tão naturais que o som do RIMAR fica gostoso e pede releitura.

    O tema é conhecido e até batido, mas a roupagem que coloca faz dele amo e senhor!
    Belíssimo sem tirar nem por.

    Meu afeto
    beijos
    bom fim de semana, querida poeta!

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde Amiga
    Hoje vim só para lhe agradecer
    Com um simples dizer
    Muito obrigado pelo seu carinho
    Lá no meu cantinho.
    Muito obrigada pela terna alegria
    Que me traz a cada dia
    Com a presença de sua luz
    Você me conduz
    Ao encontro do segredo de tudo saber
    Que está dentro do meu ser.
    Obrigada por me ajudar
    A ver e a sentir a realidade
    Que me ajudará a caminhar
    Ao encontro da minha felicidade.
    Querida amiga
    Nesta cantiga
    Quero apenas reforçar a minha gratidão
    Obrigada por me estender a sua mão.
    Obrigada por me falar
    Com o sentimento de seu coração,
    E por me mostrar
    O valor de ser amigo
    Que contigo
    Veremos o bem se fortalecer
    E o mau enfraquecer.
    E assim a amizade será de verdade
    Para toda a eternidade!
    Tenha um bom fim de semana
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir

  24. Boa noite!

    "Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união! (Salmo 133.1)"

    Vim te deixar o meu abraço carinhoso e avisar que estamos pedindo a opinião dos amigos para um projeto no blog.
    Será um prazer para nós saber a sua sugestão.

    Estamos te esperando!

    Deixo aqui um vídeo para agradar sua noite. :)

    http://www.youtube.com/watch?v=iq_qT6lvYpk

    Deus seja contigo.

    Blog Yehi Or!
    http://hajalluz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. Lindos versos!
    Romantismo com qualidade literária!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  26. Apesar do anverso e do reverso a beleza explode em cada verso molhado pelas lágrimas doídas desse amor perdido.
    Vc exala poesia em cada linha, Mari.
    Parabéns!
    Bjos e lindo fim de semana.
    Calu

    ResponderExcluir
  27. Marilene, adorei seus versos, encantadores.
    Bom fim de semana.
    Bjs

    ResponderExcluir
  28. Marlene

    Despedida sem volta, é o chegar da tristeza. A tristeza que fica presente, que tão bem cantaste em poesia.
    Beijos

    ResponderExcluir
  29. Um sábado cheio de carinho pra ti minha amiga...beijos e beijos.

    ResponderExcluir
  30. Sabes expressar como ninguém.
    Bom fim de semana Marilene! :)
    Bjokasss

    ResponderExcluir
  31. A beleza escondida do verso no (in)verso…Bjs

    ResponderExcluir
  32. Belíssimo.
    O teu bilhete poético é magnífico.
    Gostei imenso.
    Querida amiga Marilene, tem um bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  33. Um adeus é sempre tao triste!
    E quando ate o grafite que ainda escorre reconhece que nao tem mais volta...É hora de eternizar esse adeus!

    Lindo demais!
    Parabens linda menina-poeta!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  34. Marilene as palavras escritas nos bilhetes
    dos momentos de paixão, amor e desejos, são dores que viram saudades e que com as lágrimas borram o grafite.
    Mas ainda bem que surge um novo dia, trazendo esperanças e renascimento.
    Um abraço, beijos.

    ResponderExcluir
  35. O coraçáo é quem decide, beijo Lisette.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...