5 de novembro de 2011

INSPIRAÇÃO ?

                                                                                                             
                                Às vezes chega o bloqueio, sorrateiro,
                                Fazendo força para se instalar.
                                Só sei falar de vida
                                De sentimentos, de dores, lamentos
                                De amor ausente, 
                                De lágrimas insistentes,
                                De encontros fortuitos,
                                Paixões passageiras,
                                E outras colheitas
                                Nem sempre bem feitas,
                                Sem hora oportuna
                                E sem trazer fortuna


                                Não é a minha vida,
                                Não são as  minhas lembranças.
                                Em minha bagagem,
                                Além dos espinhos
                                Trago também flores
                                Fragmentos de amores
                                Que me deram prazer.
                                Os pesos que carrego
                                São das opções que,
                                Por ininteligíveis razões
                                Insisto em guardar
                                Ao lado das emoções


                                                      
                                Se fora as lançar
                                Posso com erro escolher
                                O que devo manter,
                                E viver com espaços infinitos
                                Propícios para abraçar outros gritos
                                E abocanhar obscuros suspiros
                                De quem deles se desfez,
                                Sem maldade,
                                Em busca de solidariedade


                                Então eu fico calada
                                Observando as palavras
                                Que dançam sem cessar
                                Tentando escolher as que fogem
                                De angústias, 
                                As que isolam sentimentos 


                                                          
                                Mas nesse caminho, me sinto perdida
                                Por mais que a razão se faça presente,
                                E continuo perdida
                                Caminhando no fio da vida
                                Sabendo que vou cair,
                                Sem conseguir isolar o sentir
                                Pois não sei como, não aprendi.


                                Não sou indiferente à beleza
                                Da natureza
                                À precariedade que consome os humanos
                                À falta de solidariedade
                                Ao alimento da maldade
                                Usado na sede de poder


                                                        
                                Não sou indiferente às necessidades do povo
                                A caminhos novos, sem realeza,
                                Com espinhos e pobreza
                                Não sou indiferente ao veludo das pétalas
                                Ao vento que balança com música as árvores
                                E que também traz a tempestade
                                Destruidora e fatal
                                Que esparrama como lágrimas os montes
                                Sem permitir que aquelas casas destruídas
                                Libertem, antes,
                                As vidas lá escondidas
                                No silêncio da noite
                                Ou na ausência do dia
                                Mas que mantêm na frequência
                                Uma cruel armadilha


                                Não temo o amor e a vida
                                E nem os olho como inimigos,
                                Mas as palavras que me chegam
                                Podem mostrar desarmonia,
                                Sentimentos contraditórios
                                Podem inspirar frustrações amorosas
                                Que da prosa transformo em poesia


                                 E esse é meu único guia!


                                                       
                                Não me acorrentem aos versos meus
                                Pois não são frutos da palavra "adeus"


                                                                          (Marilene)


Imagens retiradas da internet. na hipótese de, inadvertidamente, estar a ferir direitos, solicito seja cientificada, para imediata regularização)

38 comentários:

  1. Que legal chegar aqui e me deparar com tantas palavras lindas. Muito grata por dividir essas emoções que explodem de estrelas coloridas dançando por sobre sua criatividade. Meu abraço e votos de um repousante fim de semana. Amiga Luciana Goyaz.

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda estou digerindo cada frase. Lindo poema
    Um final de semana bacana pra você.

    ResponderExcluir
  3. Um poema cheio de sabedoria para ser lido inúmeras vezes.. fará parte do meu caderno de poemas.

    Um lindo fim de semana pra ti
    abraços do outono bem friozinho da terra do sol nascente.

    Giovanna

    ResponderExcluir
  4. Marilene, tudo bem?
    Linda reflexão, inteligente, audaz, para ler mais de uma vez, com certeza.

    Costumo a pensar na inspiração como uma escolha, mas não uma escolha nossa pelas palavras; e, sim, uma escolha das palavras por nós.

    Elas chegam sorrateiras, desenhando letras, nos testando, nos conhecendo..., nos rejeitam, ou com olhar maroto e sorrisinho com a mão na boca, nos fazem o dito convite. Uma vez aceito, eis a inspiração!

    Marilene, estava querendo vir aqui, mas não conseguia, minha filhinha de 4 anos estava com um gripão, e eu me limitei apenas a responder a quem estava comentando. Agora tudo está normalizando. Seu trabalho merece minha frequência, mas eis a vida, e suas coisinhas! :)

    Beijos e ótimo fim de semana para ti e família!

    ResponderExcluir
  5. Marilene....you are SIMPLY THE BEST.....
    my compliments ....it's amazing honey.

    hugs, Joop

    ResponderExcluir
  6. Ainda bem que suas inspirações vem de um pôço sem fim! Isso é muito bom e mostra como você entende a vida usando a criatividade!

    Parabens Mary!

    ResponderExcluir
  7. Lindos versos poéticos, pois inspiração é isso, sentir mesmo que nem seja nosso sentir, mas o sentir do universo!!!
    Abraços amiga!
    Ivone

    ResponderExcluir
  8. Olá Amiga. Linda reflexção! Ficaria aqui lendo e relendo o dia todo.Eu sempre admiro essa beleza, esse encanto em fazer belos versos essa visão tão madura e corajosa de ver a vida. Já disse: Más repito menia! Vc é muito especial e te quero muito bém, pode acreditar. Linda alma tem vc. Beijinhos e bom fim de semana!!!

    ResponderExcluir
  9. Explode criatividade em seus versos! Apraz-nos lê-los! Parabéns! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  10. A inspiração é o voo mais alto e livre de todos os sentimentos e belas palavras...beijos de bom sábado pra ti.

    ResponderExcluir
  11. Linda amiga, que maravilha!Se isto não for pura inspiração esta eu não conheço.Brincastes com as palavras e criastes puras verdades e sentimentos.Saio daqui encantada e quem sabe inspirada para tirar minha alma do limbo para escrever meus poemas.Bom final de semana com muita luz.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  12. Continuas a encantar-me com a tua poesia.
    Parabéns por mais este belíssimo poema.
    Beijos, querida amiga.

    ResponderExcluir
  13. Com certeza você sempre tem a inspiração aguçada para compôr belíssimos poemas!

    Beijo grande em seu coração Marilene e um lindo fim de semana para você!

    Verinha

    ResponderExcluir
  14. Oie lindona.

    Que lindooooooo poema querida

    Beijos meu carinho
    Ótimo sabado

    ResponderExcluir
  15. Concordo cam a Verinha, vc tem sempre inspiração aguçada, cada uma mais lindo do que o outro

    ResponderExcluir
  16. Nossa..você tem inspirações profundas e intensas, fico impressionada e admirada!!
    Poema cheio de significados e detalhes...

    Querida, muita paz em seu caminho!!
    Tenha um belo Fim de Semana!!
    Muita Luz!!!

    ResponderExcluir
  17. Gosto de seus poemas. Este em especial, achei fantástico! Aplaudo de pé pela forma e conteúdo.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  18. Lindo poema! Boa reflexão usufruida pelo eu-lírico na passagem da vida dele. Depois passe em www.lectandome.blogspot.com
    Postei hoje... Bjs.
    Jasanf.

    ResponderExcluir
  19. De verdade super inspirada amiga!
    Parabéns pela habilidade de expressar tão bem, sentimentos tão verdadeiros!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  20. Marilene,
    Entre versos e palavras, fizeste um retrospectiva da tua vida, do que sente, da sua moral e índole e da sua bondade social. Sei que o poeta não é preso nos versos, mas os versos são presos à ele. Sua inspiração é profunda e espero que seja um poço sem fim, e que a tua vida seja sempre numa extensão que vá além da altura, largura e profundidade que suas palavras alcancem.
    Linda toda vida!
    Uma super beijoka, para uma super poetisa.

    ResponderExcluir
  21. E, esta luz que é teu Guia, desperta em teu âmago as palavras, misturadas que estavam, pondo-as em linhas bordadas, trilhas lavradas n'alma, revelando os sentimentos da poetisa, observadora da vida.
    Bendita luz, grande poetisa!
    Bjkas, Mari,
    Calu

    ResponderExcluir
  22. Parabens, pelo poema. Bom mesmo, é falar da Vida, dos amores, e de todos os sentimentos emanados da Alma
    felicidades

    ResponderExcluir
  23. Esta voz tua, inda que presa, é liberdade,
    E este teu grito, mesmo rouco, é rebelião;
    A tua boca é a fonte pura da verdade,
    Teu verso humilde, porém belo, é inspiração.


    Bravo! Bravíssimo! Flores ao palco!
    Beijos, poetisa!

    ResponderExcluir
  24. MARILENE, é maravilhoso ler "você". Pelo pouco que conheço de seu talento, me atrevo a dizer o "ler você", porque seus escritos trazem presença de vida que mexem com a vida da gente.
    Beijo no coração.
    Manoel.

    ResponderExcluir
  25. Minha linda e querida amiga!
    Aqui é o meu porto seguro,kkkkkkkk,leio para me inspirar sempre,pois tens argumentos para escrever tantos poemas forem necessários para compor um livro.
    Bjsssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  26. OLÁ MANA,
    Poema belíssimo!
    Você é detentora de uma inspiração magnífica.
    Como sempre disse a nossa mãe: "Que Deus conserve!". Quantas vezes já ouvimos esta frase, né? Mas que assim seja!
    Parabéns!
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  27. Marilene,
    obrigada pelo carinho por lá!
    Beijinhos e ótimo domingo :)

    ResponderExcluir
  28. Marilene

    Belíssimo poema de amor, diria, mais de intervenção, gostei!
    O meu agradecimento, pelas palavras deixadas no meu post.
    Olavo convida a uma passagem em novo capítulo do TOP SECRET.
    Beijos

    ResponderExcluir
  29. Marilene,
    Seu poema me lembrou um que fiz chamado Transformação que também fala das decisões imediatistas do poder, da maldade, da vingança. O que mais me atormenta é a maldade, essa suga nossa energia. Muito bonito seu poema, um belo domingo pra você, bjo

    ResponderExcluir
  30. Eu sinto que por aqui nunca há bloqueio, a inspiração é sempre forte!
    Bjs

    ResponderExcluir
  31. Um belo domingo e uma semana cheia de paz pra ti minha amiga,,,beijos e beijos.

    ResponderExcluir
  32. boa tarde !

    marilene,

    escreveste o que estou sentido.

    ..."Mas nesse caminho, me sinto perdida
    Por mais que a razão se faça presente,
    E continuo perdida"...

    sensacional!

    ResponderExcluir
  33. Lindo Marilene!
    seu poema expressa o sentir em todos os sentidos, sem bloqueio pra dizer o que sentes.
    Uma boa leitura de si. Perfeita!
    Boa semana querida, cheia de paz pra você e alegrias que vem da alma.
    Beijokas

    ResponderExcluir
  34. ADOREI,a seguir o blog (: , segues.me ? só se gostares :)

    ResponderExcluir
  35. Fiquei pensando sobre o seu texto, e eu diria que é um testamento de uma vida. Todo ele trata da forma e do seu jeito de ser, ainda que muitas vezes não estejas escrevendo na primeira pessoa, mas imprime sua identidade, de modo que acaba sendo um pouco (e outras vezes, um tantão) de ti mesma. Algumas vezes com inspiração, outras com transpiração, mas percebemos a marca Marilene, na escrita... É...

    Beijos!!

    ;)

    ResponderExcluir
  36. Oi Marilene..
    Me curvo diante do teu talento e da ta inspiração.
    Vc escreve lindamente, sempre!
    Um beijo..

    ResponderExcluir
  37. Cessam me as palavras diante de vossa exatidão.
    Não simplesmente escreves mas dá vida à emoção
    As palavras por vezes soam em desacordo,
    Mas desacordo a quem se não ao nosso coração.
    Palavras transmitem dores, mas por deveras também regam amores...
    Somos o que somos e vivemos o que sentimos
    Não temos a maestria dos sentidos
    Por isso vezes colhemos lágrimas, mas muito mais são as alegrias extasiadas!!!

    Minhas sinceras palavras de pura admiração Marilene!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  38. Realmente, Marilene, não dá para controlar a inspiração.
    Acho que ela é o reflexo de nosso estado interior, que nada mais é do que a soma de tudo aquilo que somos ou achamos que somos.
    Complicado, não?
    Pois é.
    O que importa é que ela funciona.
    Obrigado pelas maravilhosas palavras e até mais, Marilene.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...