14 de novembro de 2011

POSSO SER



                                                               


                                     Posso ser como o vento
                                     Que em sua rápida passagem
                                     Não traz o contentamento,
                                     Arranca folhas e flores
                                     Balança os frágeis amores,
                                     Por tão somente bailar, na natureza.
                                     E em seus momentos de fúria
                                     Provoca destruição
                                     Sem dar alento aos que caem
                                     Com farpas no coração


                                     Posso ser como o sol
                                     Nem sempre a trazer alegria
                                     Destruindo a fantasia
                                     De sonhos encantadores
                                     De quem  só busca o  calor,
                                     E que em  momento de fúria
                                     Seca rios, na constância,
                                     Com presença avassaladora
                                     Onde a água, só das lágrimas,
                                     Não basta pra alimentar
                                     Esperanças renovadoras


                                                                  
                                                   
                                      Posso ser como a lua
                                      Nem sempre a trazer fulgor
                                      Permanecendo, sem equilíbrio,
                                      No eclipse que tudo esconde,
                                      Impedindo voos noturnos
                                      E manifestações de amor,
                                      Afastando os que se procuram
                                      Em caminhos venturosos
                                      Onde nem os vaga-lumes
                                      Conseguem se fazer ver
                                      Ocultando-se tristonhos
                                      À espera do amanhecer


                                                                


                                       Posso tudo isso ser
                                       No campo de ilusões, perdidas,
                                       Na esfera de dores, adormecidas,
                                       Na noite insone, onde o carinho não veio
                                       No amanhecer, que escondeu a luz
                                       No entardecer, sem o por do sol



                                                                           
                                                                
                                      Posso tudo isso ser
                                      No campo da imaginação
                                      Na narração de mistérios
                                      E em meio à ficção
                                      Porque o ser que me habita o peito
                                      Não abandona a emoção
                                      É dela uma prisioneira
                                      Que nem busca  liberdade
                                      Já fez dela sua companheira
                                      Para além da eternidade



                                                                 (Marilene)


(Imagens retiradas da internet . Se, eventualmente, estivr a ferir direitos, solicito seja avisada, para imediata regularização)

47 comentários:

  1. "Porque o ser que me habita o peito
    Não abandona a emoção."
    Nesse trecho disse tudo querida, és vibrante, transparente, cheia de vida e nos seus versos a gente sente a vida.
    Beijokas doces e uma semana de muita paz.

    ResponderExcluir
  2. O bom Marilene é saber viver cada momento, conviver com cada emoção...
    Grande sensibilidade em suas palavras.
    Abraços
    Giovanna

    ResponderExcluir
  3. Olá Marilene,
    Lindo, seu poema.
    Mexe com os mais diversos sentimentos, ao sabor do vento. Gostei muito.
    Parabéns, querida.
    Vir aqui é deliciar-me com tanta coisa bela que você escreve.
    Uma semana com muita paz e luz para você, amiga.
    Um grande beijo,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  4. Olá Marilene,
    com a força do sol e do vento, com a suavidade do amor!
    Parabéns e um grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Minha encantadora amiga!
    Como já disse tantas vezes e tantas vezes ainda sei que vou dizer...
    Encontrando no amor a calma em troco com seu vento girando o sol.
    deixo a paz prá ti aquecer!
    bjssssssssssssss

    ResponderExcluir
  6. NOSSA MANA, QUE LINDOOOOOOOOOOOOOOOOO!
    Eu sei que você é pura emoção.
    GOSTEI DEMAIS DA CONTA, UAI! (RSRSRSRSRS).
    O BLOG FICOU ÓTIMO.
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  7. Transbordou emoção pelos quatro ventos...AMEI!!!

    Tenha uma Bela Semana!!
    Paz e Luz!!

    ResponderExcluir
  8. LINDO, LINDO Marilene....as always !!

    thanks for sharings this with us.

    Hugs, Joop

    ResponderExcluir
  9. Podemos ser tido na imaginação.Lindo,Marilene! beijos,chica e lindo feriadão pra ti!

    ResponderExcluir
  10. A felicidade é viver cada dia, cada momento, seu otimismo e à luz de seus valores, tentando ser felizes juntos com os outros.

    Semana feliz e beijos

    ResponderExcluir
  11. Bom dia,Marilene!!

    Teus versos são puro encanto!!!!BELÍSSIMO QUERIDA!!!
    Beijos pra ti!!!
    *Lindo o visual novo!!

    ResponderExcluir
  12. ...porque ser escravo das emoções é ser plenamente livre, né

    ResponderExcluir
  13. Quando o sentimento é simples, sincero e profundo,,,pode se ser tudo que desejar em amor...beijos de boa semana pra ti...bom feriado.

    ResponderExcluir
  14. Sim, podes ser vendaval e furacão,
    Mas quero-te brisa.
    Podes ser sol ardente no verão,
    Mas prefiro-te poentes vermelhos.
    Serás, às vezes, lua de sangue,
    Mas vejo-te luar de prata entre estrelas e vagalumes.
    Tu pagaste o preço do resgate às emoções,
    E as submeteste à pena de tua poesia,
    E tomaste-me como vassalo e carcereiro,
    Mas não como verdugo ou carrasco,
    Pois eu as amo - às tuas emoções.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. oi Marilene
    lindos versos, uma maravilhosa semana na presença de Deus, bjs amiga

    ResponderExcluir
  16. Olá Mary, tudo bem aí?

    No mundo da imaginação a gente pode ser tudo isso e muito mais! Ainda bem que você só imagina coisas boas!


    Atualizei passa lá depois.

    ResponderExcluir
  17. A imaginação não possui limites cientificamente mensuráveis, Marilene.
    É por isso que ela é tão preciosa.
    Desde, é claro, que seja guiada pelo coração.
    Abraço, Marilene.

    ResponderExcluir
  18. Querida Marilene!

    Somos cheios de faces e fases!
    Podemos ser como muitas coisas, e o mais importante e sentir a emoção diária de viver!

    Lindo poema!

    Beijos saudosos!

    ResponderExcluir
  19. Nem me fale amiga, eu ando de mãos dadas com a emoção, dia e noite, noite e dia! E é só por causa dela que posso ser tudo o que sou e mais um pouco se eu quiser.

    Vc é maravilhosa com as palavras...te amo muito!!!

    beijokitas recheadas de carinho.

    ResponderExcluir
  20. MARILENE, seu talento torna sua postagem um retrato perfeito da narração. Veja que bonito esse trecho:
    "Já fez dela sua companheira Para além da eternidade"
    Gostei do "além".
    Beijo com carinho.
    Manoel.

    ResponderExcluir
  21. a nossa imaginação pode nos levar até onde as asas das aves alcançarem.

    bem rimado e melodioso.

    boa semana

    um beij

    ResponderExcluir
  22. O final ficou estonteante amiga.Linda inspiração/construção na certeza do que o mais importante está no intimo do ser.
    Boa semana com paz.
    Meu abraço.
    Bju.

    ResponderExcluir
  23. Poema que mexe com os sentimentos. Sempre que aqui venho delicio-me com a beleza da sua escrita!
    Bjs

    ResponderExcluir
  24. Que maestria.
    Belo texto! E realmente a imaginação alcança muito longe.
    O poema é maravilhoso e você idem amada.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  25. Olá Amiga. Belo Marilene! O ser que habita o peito Não abandona a emoção. Maravilha menina! DEsejo um lindo feriado de paz e luz... Olha não há virus no blog. Está tudo bém! Volte sempre e obrigada por arriscar. Bjo grande no seu coração!

    ResponderExcluir
  26. Nossa! que texto divino, adorei;
    papeldeumlivro.blogspot.com

    Uma ótima semana, ABRÇS.

    ResponderExcluir
  27. Vento, Sol, Lua, tudo cabe numa alma sensível.

    Gostei muito de lhe ler, como sempre Marilene.
    beijinhos
    oa.s

    ResponderExcluir
  28. Um belo dia de feriado pra ti amiga...beijos.

    ResponderExcluir
  29. Oii Marilene, estou eu aqui de novo. kkk
    Te convidando a participar da promoção que tá rolando agora no meu Blog!

    Eis o link: http://papeldeumlivro.blogspot.com/2011/11/promocao-ainda-nao-te-disse-nada_15.html

    Participe, sua participação é especial! Beeijo. :*

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde, Marilene. Na minha opinião, este é um dos poemas mais belos que eu já li de sua autoria.
    Apesar de ser presa da emoção, acredito que todos, sem excessão, em algum momento são como os elementos da Natureza, e seus efeitos, tão bem descritos. Somos a mescla de tudo, deixando com mais intensidade um lado aflorar do que o outro.
    Até nesses momentos, possuímos emoção quando destruímos, porém emoção ao avesso, e isso dentro do ser humano é natural, caso contrário seríamos Deus!
    Acredito que o nosso lado melhor, tem de ser mais vivido e exercitado.
    Belíssimo poema!
    Um beijo grande, e fique na paz!

    ResponderExcluir
  31. OLá Marilene,

    passando para rever suas belíssimas palavras!

    Quando se ama, podemos ser tudo isso e muito mais!

    Beijos

    ResponderExcluir
  32. Os olhos que choram
    Não sabem mentir
    As mãos que me tocam
    Levam à alma o sentir

    O abraço sincero
    Aplaina meu corpo frio
    Veste-me de sol ardente
    Solta meu sonho em azul rio

    Os sonhos perdidos
    As juras e promessas que fazia
    Guardei-as num cofre
    Lancei à maresia

    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  33. "Emoção* é tudo, Marilene, e você é mestre em transmitir isso*... através de versos , palavras, enfim teus poemas me emocionam demais...*)
    beijus da Mery*

    ResponderExcluir
  34. Oii Mari!! Que lindeza de poema... Posso ser tudo... tudo o que sinto... a força das emoções e dos sentimentos...
    Uma semana de luz pra ti amiga querida,
    Bjkas carinhosas

    ResponderExcluir
  35. real e inquietante, pero bello.saludos

    ResponderExcluir
  36. Boa noite minha linda!
    Saudade de te ler.
    Porque encontro na tua poesia sensibilidade e verdade.

    Beijinho amada

    ResponderExcluir
  37. Querida Marilene, tudo bem?
    Somos muitas versões de nós mesmos, mas a essência está ali, nos sentimentos, na conjugação do verbo amar.

    Querida amiga, estava ausente, pois estou passando uns dias aqui no Uruguay, e não estava conseguindo um wi-fi bom, agora tudo normalizou aqui no hotel, já estou indo no blog da Verinha também! rsrs Estive lendo alguns poemas teus que perdi! Maravilhosos!

    Beijos e ótimos dias :)

    ResponderExcluir
  38. Muito lindo e profundo poema, parabéns.Desculpe por estar ausente mas estive ocupado com meu novo livro, beijos.

    ResponderExcluir
  39. Beijo carinhoso de bom dia pra ti amiga.

    ResponderExcluir
  40. Bom dia,Marilene!!

    Tenha um ótimo dia poetisa!!!
    Beijos pra ti!!!

    ResponderExcluir
  41. Marilene dia lindo pra voce kerida!

    Lindos versos! como sempre)
    Podemos tudo sentir.
    As emoçoes são sempre surpreendentes.
    Lindo demais!
    Beijokas e fica bem! :)

    ResponderExcluir
  42. Lindo,Mari!
    Sem ter o que dizer,apenas sentir a emoção do teu ser.
    Bjkas querida.

    ResponderExcluir
  43. Boa tarde moça!
    Parabéns pelo blog e pelo belo conteúdo!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  44. A poesia é o que deixa nossa alma mais branda e recitá-las baixinho, como faço ao te ler, enleva o espírito e acalma a mente. Lindo poema; meigas ilustrações, deixando tudo esteticamente perfeito. Bjos Marilene.

    ResponderExcluir
  45. Bem lispectoriano seu poema, Marilene. Podemos ser tudo, leve, fluia como o vento, ou temoesa e forte como uma tempestada, o agir externo é que determina a velocidade e a forma.

    Beijo!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...