4 de agosto de 2012

O BANHO

(Karrah Kobus)


                                               
                         Depois de longo tempo transitar 
                         Por trilhas descoloridas, 
                         Fugiu dela o sorriso,
                         Levando junto o brilho do olhar.
                         A face tornou-se incompleta,
                         Perdendo a transparência
                         Que lhe guiava a convivência
                         E o bem estar


                         Não percebeu no exterior
                         A nublada mudança,
                         Mantendo a crença 
                         De que a havia acomodado
                         No preto e branco de seu interior,
                         Já fechado para o amor


                         Quando nas águas límpidas
                         De um rio, se banhou,
                         Olhou-se através delas
                         E não mais se encontrou.
                         Observou a dureza do semblante,
                         E se assustou.


                         Focou o céu azul
                         Do fim de tarde,
                         O por do sol
                         Que não fazia alarde,
                         E, lentamente,
                         A verdade lhe chegou.
                         Foi então que se permitiu
                         Lavar a alma,
                         Nas lágrimas que lhe desceram
                         Abundantes , mas calmas,
                         E, finalmente, acordou


                                                        (Marilene)




Quando descolorimos a vida e não lhe atribuímos a beleza que, indiscutivelmente, nos apresenta, acabamos nos transformando em figuras em preto e branco, em telas obscuras e sem brilho, em  seres indecifráveis. (Marilene)



51 comentários:

  1. Puxa Mary... Essa fase diferente que seus escritos estão passando no momento, é bem forte e nos faz pensar muito!
    Parabens!

    ResponderExcluir
  2. Tudo bonito e realista, mais ainda, eu penso, sua observação final, Marilene: o preto e branco em que nos transformamos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Um lindo final de semana pra você.



    Beijos


    Ani


    http://cristalssp.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Sensacional essa descrição de nos olharmos sem ver a cor refletida...Lindo esse lavar a alma e depois acordar...beijos querendo sempre ver cor,chica

    ResponderExcluir
  5. Um banho de amor e versos,,,que lava o corpo, mas lava principalmente a alma,,,deixando leve todas as sensações de vida...beijos amiga e um belo sábado pra ti...

    ResponderExcluir
  6. Minha linda !!!!!
    Vim te desejar um lindo final de semana e dizer-te que quando recebo tua visita no meu cantinho meu coração fica palpitante,pois te admiro como pessoa ,amiga e como escritora de poemas te dou nota máxima,mas qual é mesmo a nota máxima que mereces?
    rsrsrsrsrsrsrsrsrs
    Mereces todas as notas,pois todas as notas musicais tem seu valor merecido,rsrsrsrsr,e vc é para mim aquela nota que dá o tom mais certo que é a nota da amizade...
    Mais um poema encantador para meus olhos cansados...
    bjsssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  7. ¸.•♫°`♡彡

    Eu concordo com você plenamente... não vale a pena viver em preto e branco.

    Bom fim de semana!
    Beijinhos.
    Brasil.

    ¸.•♫°`♡彡✿⊱╮

    ResponderExcluir
  8. Parabéns! Sempre com muita sensibilidade expressa em seus escritos. Lindo o poema, apesar de triste, traz emoção e um desejo de colorir tudo novamente para vê-la sorrir e banhar-se de alegria.

    ResponderExcluir
  9. Marilene, fico feliz e grato por tua visita. amo teu blog e tudo por aqui. Um abraço. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Excelente poema; sensibilidade e um banho de amor:)!
    Bjo

    ResponderExcluir
  11. Stupenda!!! felice fine settimana a te...ciao

    ResponderExcluir
  12. Oii amiga, fiquei tão feliz com seu comentário pedindo novas aventuras kkkkkk, amei! Então, a vida descolorida perde totalmente o sentido, as vezes a gente descolore p colorir de novo com cores mais vibrantes, ai sim vale a pena! Lindo demais! Bjooooosssss

    ResponderExcluir
  13. Marilene

    O sonho, que o magnifico poema reporta, faz da sua imagética, novo sonho, que valeu a pena reler. Parabéns!...
    No TOP SECRET OLAVO, há novo capítulo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Sábias palavras amada.
    E a poesia transparece isso com maestria.

    Marilene querida , te deixo um beijo e bom domingo.

    ResponderExcluir
  15. Três momentos nesse poema: Quando a tristeza é maior que as possibilidades da vida, a tristeza instala e so olhamos pra ela e os problemas decorrentes disso;e quando nos damos conta que a nossa vida está vazia e sem razão; quando retrocedemos e como uma forma de perdão a nós mesmo lavamos a alma com uma nova atitudes.
    O certo é que a vida desbota se não tivermos um olhar colorido e um agradecimento pelo respirar que Deus nos agraciou.
    Lindo Marilene.
    beijokas doces e bom domingo

    ResponderExcluir
  16. Marilene,poeta!
    Tudo bem?
    Muito belo teu poema, e bastante reflexivo.

    Muitas vezes os fatos nos tiram as cores, nos aceleram contrastes em preto e branco, e desbotam as nuances, até que nos permitamos um banho na alma: o observar de pequenas coisas e de nós mesmos. Assim as cores se renovam, que são a superação, simplesmente.

    Beijos e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  17. Oi, Marlene. A dor realmente rouba o brilho do olhar e torna o semblante um abrigo de fragilidade. Me preocupo quando percebe meus olhos baixos, procuro me resgatar observando o quanto a vida pode ser generosa. Mas admio que em alguns dias não é fácil. Colorir a vida é o caminho. Um abraço!

    ResponderExcluir
  18. Oi querida Marilene,

    Se diz que "depois da tempestade, vem a bonança" e é, sempre, ou quase sempre verdade.
    É necessário descer às profundezas do inferno, para percebermos que dentro de nós há muita força e vida.

    Bom domingo.
    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
  19. É certo que a verdade acaba sempre por chegar, embora por vezes muito lentamente!
    Magnífica descrição ! Gostei muito .

    ResponderExcluir
  20. Uma semana repleta de carinho paz e poesias pra ti minha amiga,,,,beijos e flores...

    ResponderExcluir
  21. Magnífico poema, como já é habitual, de resto.
    Com uma interessante nota de rodapé.
    Marilene, querida amiga, tem um bom resto de domingo e boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  22. UAU, enquanto lia o começo do poema vi ali, desenhada - a RAINHA DAS ÁGUAS -
    que claramente obteve seu reflexo e dele sorveu a lição das cores, revelando a este belo pensamento ao final de tua blogada.

    Mais um poema de extrema beleza e de configurações internas.

    grande beijo, lindeza!

    Obrigada por tuas visitas que só -ENCANTAM meus espaços!

    bom domingo junto aos teus
    afetos e laços
    :D

    ResponderExcluir
  23. Oi querida,

    Tudo bem? Sempre ouvi falar que o poder da tempestade não está nela, mas na brisa que coroa o ato que desafia o vento. E as vezes a chuva fina, incomoda, doi, molha o sapato, destrói a escova e não sabemos o seu destino. Todavia, a tempestade vem sem pudor, com força, mas com verdades que só mar silencioso consegue suportar. Assim, coloco um texto que vi em um blog, que diz assim:"E se a tempestade não passar, dance na chuva!" Anyelle Lins

    Beijos e boa semana!

    Lu

    ResponderExcluir
  24. Lindão MANA! E ainda por cima enriquecido com perfeita citação.
    Creio que este despertar nos chega quando abrimos os olhos para os traçados que emprestamos à vida e pelos retornos que dela recebemos. Ao nos permitir lavar a alma e recomeçar lançamos mão da oportunidade de colorir nossos dias com cores mais vibrantes.

    Linda a imagem e bem sintonizada com o texto.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  25. Olá Marilene,
    como sempre filosofia e arte, emoção e razão! Parabéns e uma boa semana

    ResponderExcluir
  26. Querida amiga Marilene
    Passando para desejar um bom final de Domingo e uma semana óptima.

    Beijo com carinho

    ResponderExcluir
  27. Para libertar as cores
    Do preto e branco do mundo
    Basta destilar as dores
    À luz de um amor profundo
    E a lágrima, qual diamante,
    Um arco-íris radiante
    Fará de cada segundo!


    Lindo poema, moça... lentes coloridas são coisas do passado! Vamos colorir os nossos mundos - o interior e o exterior!

    Beijos coloridos.

    ResponderExcluir
  28. Oi Marilene, querida!

    O Adriano e eu ficámos muito sensibilizados com o seu comentário.
    Obrigada pelas certeiras e justas palavras. Eu agradeci no meu blog, também, só que há casos e casos.

    Beijinhos nossos pra você, com apreço.

    ResponderExcluir
  29. Depois de algum tempo
    Voltei para a visitar
    Está no meu pensamento
    Não me devo ausentar!

    Ficou o céu azul
    As nuvens o vento as levou
    Do norte para o sul
    Pelo centro passou!

    Em meu pensamento ficou
    Teria que por aqui passar
    Por isso aqui estou
    Venho minha amiga cumprimentar!

    Agora que já o fiz
    Vou embora, vou partir
    Que seja sempre muito feliz
    Eu vou mas torno a vir!

    Boa noite para você,
    um beijo
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  30. Fujo de telas a preto e branco, sempre as salpicos com tonalidades lilás...
    Muito lindo querida amiga.
    Bjs

    ResponderExcluir
  31. Olá, amiga. Belissimo!!! Belissima citação. Muita emoção emoção! Deixo um beijo carinhoso e uma semana iluminada.

    ResponderExcluir
  32. Olá Marilene, acho que esta é a primeira vez que visito tua página. tenho que lhe dizer já nesta primeira visita você me cativou, gostei muito do poema, principalmente porque tenho experimentado um pouco dos descolorido que você mencionou, o que eu acho que seja algo até normal, uma consequência do estágio social que vivemos. Mais ainda assim se faz necessário o mergulhos em águas que sejam capazes de lavar este exterior descolorido e assim abrir caminho para novas tonalidades...

    Já estou lhe seguindo! Bjs
    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/08/gosto-de-cereja_5.html

    ResponderExcluir
  33. Tocante, porque a vida tem de ser vivida em plenitude...
    Bj

    ResponderExcluir
  34. Marilene querida, li e reli.
    Incrível, fui me identificando verso por verso.
    Agora o que eu preciso é me permitir lavar a alma e acordar para a vida, urgentemente.

    Beijos com carinho.
    Tenha uma semana de muita paz.

    ResponderExcluir
  35. Olà,

    A Luz já agradeceu por mim,mas, permito-me reforçar esse agradecimento.
    Com um banho de lágrimas lavamos o que temo "dentro" de nós.
    Uma poetisa e amiga que escreve, a bem dizer, um poema por dia reinventa
    palavras, constrói "edificos" de sonhos. www.pintandoosetecomavida.blogspot.com .Aliás, com ela interajo , à semelhança do que faço com a "Emília da Luz", como carinhosamente lhe chamo.
    Saudações amigas,

    ResponderExcluir
  36. Bom dia alegria!
    Passando para te desejar um inicio de semana cheio de TUDO DE BOM!
    Bjo Mari.

    ResponderExcluir
  37. Uma ótima segunda feira pra ti minha amiga,,,paz e carinho sempre....beijos.

    ResponderExcluir
  38. Grata pelo seu carinho e a sua atenção em minhas páginas, querida!!
    Uma linda semana cheia de inspiração para que mais poemas floresçam dentro de si.
    Abraços e meu carinho!!!

    ResponderExcluir
  39. A vida é uma tela, uma paleta de cores, onde sobressaem as cores fortes e quentes, mas pincelada, por vezes, de cores escuras ou descoloridas. O equilibrio, é o que se deseja. Esse, em minha opinião consegue-se com força interior e o cultivo do espirito.

    Sempre surpreendentes o seus versos, parabéns Marilene.
    Beijos
    cvb

    ResponderExcluir
  40. Minha querida

    Como o teu belo poema é verdadeiro, por vezes estamos esquecidas de quem somos, e quando acordamos por vezes o tempo já vai entardecendo, mas há sempre tempo para amar...como sempre adorei.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  41. Que nossos olhos não estejam cegos diante da beleza que surge a nossa volta. Bjss

    ResponderExcluir
  42. Um poema que...qualquer um de nós podia "vestir"!
    Obrigada.
    Beijo
    Graça

    ResponderExcluir
  43. Oi Marilene!
    Perfeita!
    Menina, lavar a alma, torná-la colorida e voltar a viver é como a fênix que das cinzas renasce. Viver o preto e branco que pode ser cinza é muito triste, ninguém merece!rss
    Beijinhos e uma semana iluminada!

    ResponderExcluir
  44. Você tem toda razão! :)
    preciso voltar a colorir minha vida, pq o preto e branco não me traz alegria.
    Um abraço Marilene! :)
    Você é ótima na escrita, admiro seu dom. Que nunca te falte inspiração, que a vida sempre te traga essa visão do belo, que é bem mais que o visível.
    Bjãoooo

    ResponderExcluir
  45. E é nestes momentos que choramos pra lavar a alma...Ei Marilene,desculpe a bagunça ontem no meu cantinho,estava tentando mudar de template,aliás continuo tentando...Adoro mudar!Um beijo e boa semana!

    ResponderExcluir
  46. Olá, Marilene.
    Acho que, quando nos olhamos no espelho e não nos reconhecemos, é porque alguma coisa está muito errada mesmo.
    Nunca podemos esquecer de nossa beleza interior, mesmo que o mundo se recuse a vê-la.
    Abraço, Marilene.

    ResponderExcluir
  47. Lindo seu texto, você está cada vez mais forte neles.
    Me faz pensar e pensar muito, passa um filme em minha
    memória...gosto disso...beijinhos amiga querida.

    ResponderExcluir
  48. Lavar a alma para viver, eis tudo!

    Beijinho!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...