7 de novembro de 2012

SEM RESPOSTAS

((Digital Art by Mike Campau))


                                    

                                  Eu já fui tantas coisas
                                  Nos sonhos de outrora!
                                  Entre anjo e demônio
                                  Me equilibrei,
                                  Mas os anos passaram
                                  E até agora não sei,
                                  Quem sou

                                  Eu me engano nas curvas,
                                  Me perco nas retas,
                                  Chego na hora incerta,
                                  E caminho veloz
                                  Na ilusão de estar certa

                                  Nas viradas do mundo
                                  Me contorço
                                  E nem com esforço
                                  Eu me sinto exata,
                                  Se multiplico, divido
                                  Se somo, reduzo
                                  E assim me conduzo

                                  Eu já fui tantas coisas
                                  Nos sonhos de outrora!
                                  De rainha a plebeia
                                  De uma louca a sensata
                                  Mas até hoje não sei
                                  O que cura e o que mata,
                                  E o que devo guardar
                                  Pra manter o  sonhar


                                                                      Marilene




62 comentários:

  1. Oi Marilene
    Vc é realmente maravilhosa com as palavras, eu sou sua fã! Eu também já fu muitas coisas e ainda estou mudando kkkkkk.
    Bjos. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  2. Maarilene, nunca nos devemos achar completo, posto q a completude encerra a vida. Como sempre vc dá aula ao compôr um poema. Aplausos. Bjod.

    ResponderExcluir
  3. Lindo Mary!
    Mais um dos seus poemas superinspirados! Parabens, vc tem um poço que não seca nunca!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo poema minha amiga!
    Pra começar bem o meu dia, esse seu poema tão inspirado.
    Me permite postar na minha página no facebook?? Tem tudo a ver com "Inspiração".
    Beijos minha querida!

    ResponderExcluir
  5. Olá! Identifiquei-me muito com a sua poesia, e é difícil encontrar uma essência que caiba em nós, acho!

    ResponderExcluir
  6. Oii Marilene, amei, eu vivo me perdendo nas retas, adorei esta frase rsrsr parabéns, Bjooosss

    ResponderExcluir
  7. Muito lindo e somos tantas ,mas saber ver o que vale ficar...beijos,chica

    ResponderExcluir
  8. Lindo poema!!! Tudo cura, tudo mata. Depende da dose e do momento...

    ResponderExcluir
  9. Bom dia minha linda !!!!!
    Eu já fui tanta coisa,mas continuo na mesma...amando sempre seu poetar...
    Lindoooooooooooooooo como tudo que escreves !!!!!!
    bjsssssssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  10. Que lindo poder reconhecer nossas limitações...
    Com o tempo reduzimos muitas coisas, mas também
    multiplicamos outras!

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Mari, agora vc me descreveu como se me conhecesse profundamente.. me vi em teus versos, que tocaram profundamente meu coração.. que lindo!!!

    Bjusss

    ResponderExcluir
  12. Lindo Marilene!Ser Rainha e virar plebeia.É um sonho encantador.Adorei seu blog.

    Abraços.

    Carmen Lúcia

    ResponderExcluir
  13. Lindo poema Marilene..... lovely work.

    Greetings, Joop

    ResponderExcluir
  14. Penso, querida Marilene, que muitos de nós passamos por essas incertezas e vivemos em busca de nós mesmos.
    Mas que saibamos tirar de tudo, algo que nos faça crescer interiormente.

    Repito, poetizas lindamente.

    Meu carinho e um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Nos sonhos doutrora
    Muitas coisas sonhou ter sido
    Tendo acordado antes da hora
    Pouco tempo depois de ter adormecido!

    Se enganou nas curvas
    Em linha recta seguiu
    Caminhando em noites escuras
    Estrelas no céu, a brilhar, não viu!

    Boa quarta-feira para vovê,
    amiga Marilene
    beijinho
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  16. Vida!... Uma eterna procura, no caminho das incertezas...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Somos estas vagas incertezas onde cada caminho
    nos leva pelas procuras de nosso mais intimo
    sentimento de ser e estar.Enfim uma infinita
    jornada dia apos dia minha amiga. Assim como
    nesta sua bela e profunda criação.
    Meu terno abraço de paz e luz.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  18. Nos meus sonhos voo para todos lugares do mundo, obtenho as vitórias merecidas.
    Quando acordo, regresso do mundo o qual estacionei minha mente, reflito como poderei transformar em realidade meus segredos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Oi, Marilene! Sabe que cheguei em um ponto da vida em que eu achei que já sabia muito, e descobri que sabia pouco. Concordo que a única maneira de não perdermos o leme da vida é conservar a capacidade de sonhar. Um abraço!

    ResponderExcluir
  20. Marilene

    Tua poesia se torna exemplar para quem, gosta de ler, se aprofundar, seguir e imaginar o raciocinio do poeta. O poema sugere que se diga uma verdade importante: "qunto mais sei, mais sei que nada sei".
    O TOP SECRET OLAVO, tem novo capitulo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Guardar os melhores sentimentos é nunca deixar de sonhar...amar,,,,beijos amiga e uma bela noite pra ti.

    ResponderExcluir
  22. MARILENE, são fases intermediárias preparando mudanças e avisando a chegada de grandes crescimentos.
    Bjs
    Manoel

    ResponderExcluir
  23. Minha querida

    Que pelo menos os sonhos nos deixem inventar personagens e reinventar a vida.
    Sempre me encontro aqui nas tuas palavras.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  24. se alguém consegue uma resposta, acredito ser fato raro... a procura povoa toda a humanidade. bjuuu pelo belo poema

    ResponderExcluir
  25. Acredite amiga que a maioria de nós gostaria de saber o que cura e o que mata.
    Um abraço

    ResponderExcluir

  26. Olá mana,

    Nossa busca por certezas será infindável na vida. Creio que não nos diplomaremos nesta matéria.

    Muito bem inspirado. Adorei!

    Beijão.

    ResponderExcluir
  27. Minha primeira visita aqui e já deixo o aviso que, não sei poetizar e tampouco sou um bom comentarista para poemas, porém, isto não me impede de gostar de ler quem os escreve. E você escreve muito bem.
    Penso que todos temos esta dualidade dentro de nós.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
  28. Nos sonhos podemos ser tudo, Marilene, ao mesmo tempo que nada, ou somente uma sensação de queda profunda. Adorei o poema. Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Pra manter o sonhar, é continuar a dizer os versos assim, com tamanha maestria, Marilene. Não é atoa que Rodolfo sempre produz lindas quadrinhas inspiradas na sua poesia linda.

    Mas, porque passa por lá em silêncio? Adoraria "ouvir" sua palavra.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  30. "Mas ate hoje nao sei
    O que cura e o que mata"

    O problema é que o que cura para mim... mata para outros...

    ResponderExcluir
  31. "E nem com ESFORÇO...me sinto EXATA."
    Descobertas...Incertezas...Atitudes...reações...O EU x o SOU.
    Me sinto assim também...
    Beijos...fica com DEUS.

    ResponderExcluir
  32. A questão por ti proposta
    Muitas dúvidas ajunta.
    Perguntas: Qual a resposta?
    Respondo: Qual a pergunta?


    Poesia eminentemente socrática, Marilene... belos versos. Parabéns
    Beijos.

    ResponderExcluir
  33. Somos o que sonhamos também, o fragmento do que fomos enquanto estávamos sonhando, o que sei é que acordada tu me encantou com poemas perfeitos e fotografias maravilhosas.

    Sigo com prazer o teu blog,

    Muitos abraços

    ResponderExcluir
  34. Olá, Marilene.
    Acho que na longa estrada da vida não temos como realmente sabermos quem somos com exatidão, já que sempre surgirão novos desafios à nossa frente; o que podemos fazer é usarmos o que aprendermos para não repetirmos nossos erros.
    Isso e tentarmos aprender sempre mais.
    Abraço, Marilene.

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. O que cura ou mata são todas as coisas que pelo caminho encontramos. Por amor se vive em estradas de sonhos; mas por amar demais, há os que, insones, já não sonham, matam.
    Somos a dicotomia do e no mundo. O que salva é a certeza da possibilidade da mudança.
    Vim agradecer a tua gentil visita à minha sala de conversações. Acabei por conhecer um espaço belo para aqui também fazer minhas paradas.
    Tenha uma bela tarde.
    Abraços. Daniel Garcia.

    ResponderExcluir
  37. Oi Marilene!
    Não me canso de dizer que suas poesias são amravilhosas, cada uma mais linda que a outra.
    É, somos incompletos e continuamos sem muitas respostas, mas vamos tentando incansavelmente nos encontrar.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  38. Uma bela noite pra ti minha amiga e excelente sexta feira...beijos e flores...

    ResponderExcluir
  39. Eu que agradeço a sua ida ao meu blog...
    E vc tem razao... Roberto nao é dos meus preferidos... mas...existem tantas porcarias por ai...que ele nesse caso seria melhor... beijos...

    ResponderExcluir
  40. Magnífica escolha de palavras, excelente poema, minha amiga.
    Um ser e não saber. Um querer e não ser.
    E entre o saber e o desconhecer encontramos a nossa entidade.
    Seremos tudo aquilo que sabemos.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  41. Boa noite, Marilene. Um dos seus poemas mais perfeitos, rs.
    Somos várias pessoas em uma de acordo com as muitas fases em que vivemos.
    Somos a mansidão, a tempestade, a felicidade, a tristeza, somos o completo e o incompleto, somos a mistura, como digo sempre.
    Nós não temos uma definição exata, por mais que tentemos colocar rótulos na nossa personalidade.
    Sabemos quem somos agora, mas enquanto mutáveis, não saberemos mais adiante.
    Já fui de um modo, agoro sou de outro e ainda trago os resquícios certas vezes do passado.
    Enfim, você é PODEROSA, simples e eu te admiro. Não é a toa que tens tantos fãs.
    Um beijo imenso na alma e fique na paz!
    Deus te proteja!

    ResponderExcluir
  42. Querida amiga

    Talvez seja
    esta a mágica da vida...
    Nunca saber quem somos,
    para não perder
    a necessidade
    da eterna busca...

    Que haja sempre
    sonhos por sonhar.

    ResponderExcluir
  43. OI MARILENE!
    PARA NOS MANTERMOS A SONHAR,VALE Á PENA, ATÉ MESMO NÃO SABERMOS QUEM SOMOS POIS UMA VIDA, SEM OS ENCANTAMENTOS DAS ILUSÕES QUE OS SONHOS NOS PROPORCIONAM SERIA BASTANTE VAZIA.
    QUE TEXTO LINDO!
    ABRÇS


    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  44. Minha amiga seus poemas são tão lindos, que até mesmo quando falas sobre a imperfeição de ser ou não ser, de não se encontrar, ou de se perder por não saber, eles soam perfeitos.

    Adorei.
    Guardemos a esperança, e cultivemos os sonhos, assim a vida nos leva neste bailar incerto e mágico.
    bjs.

    ResponderExcluir
  45. Muito bom o poema, o blog, tudo de muito bom gosto! Adorei, vou acomodando-me por aqui!

    ResponderExcluir
  46. Ao longo do tempo vamos sempre mudando, não é?
    E às vez não nos reconhecemos...

    Beijinho para si!

    ResponderExcluir
  47. Marilene querida! Obrigada pelo carinho e pela presença amiga e sempre constante no blog! Como dizia Fernando Pessoa, "...Sonhar vale a pena se a alma não é pequena..." Nossos sonhos nos movem para atingirmos nossos objetivos! Não tenho conseguido visitar a todos como gostaria.....
    Um abençoado e feliz fim de semana!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  48. Mari,

    Tudo bem? Ao ler o seu texto, fui procurar parte um de Lispector que em devidas proporções esbanja parte das sensações que o teu poema permite.

    '' ... Sou como você me vê ...
    Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
    Depende de quando e como você me vê passar ... ''

    E, assim, concordo que não podemos exigir do outro a perenidade quando estamos sempre nos perguntando quem somo nós. Penso que as respostas são eventos do dia que se acaba em prol de outro, permitindo não a nossa descrição, mas a nossa recriação.

    Beijos e vamos se falando pelo facebook.

    ResponderExcluir
  49. Bom dia,Marilene!!!

    Que belíssima poesia,minha amiga!!!!E nesta luta(com nossa dualidade)vamos nos descobrindo,nos encontrando...vivendo!
    Beijos e meu carinho sempre!!!!

    ResponderExcluir


  50. La armonía tiene música,
    Que respira en cada flor,
    Que vuela en cada amanecer,
    Y que suspira en cada atardecer.

    Gracias amig@ por volar a mi lado
    Prestándome las alas del silencio…

    Vivamos el fin de semana
    Repleto de buenas intenciones…

    Atte.
    María Del Carmen




    ResponderExcluir
  51. Eu também já fui tantas coisas e me encontrei em cada sonho e em cada realização e claro que espero ainda me encontrar em vários sonhos e nas realizações...amei sua poesia, sou sua fã incondicional Marilene querida...beijinhos e lindo final de semana

    ResponderExcluir
  52. Um bom e refrescante fim de semana, sem se perder nas curvas...

    Beijão

    ResponderExcluir
  53. Mari, querida...

    Vamos deixar a matemática somente na escola... rs (brincadeira) você dançou lindamente com as palavras nesse ponto da matemática. Adorei!


    bjsMeus
    CAtita*

    *adorei vc lá no blog do meu bem, a Vera ja é 'freguesa' rsrs
    Ele é bom mesmo com as palavras... e tu continua linda nos poemas!

    ResponderExcluir
  54. OI Marilene!
    Como é bom sonhar acordada e ser várias em uma só...
    Amei seus versos!Beijos!

    ResponderExcluir
  55. Um belo final de semana pra ti amiga,,,,beijos e beijos..

    ResponderExcluir
  56. Cinco letras…
    Cinco pontas de cadente perdida na aurora
    Na loucura de alguns instantes escrevo
    Descalço vou adiante num ir longe, embora

    Solto das mãos murmúrios sussurrantes
    Do basalto explode um bando de pombos bravos, alguns negros
    Há um livro branco apenas com a palavra ausência
    Há uma carta de marear para um rumo de mil segredos

    Flores de solidão crescem em pedaços de fria lava
    Um espantalho saltou-me do bolso a remexer
    Uma sombra desceu a janela e tocou-me
    Cerrei olhos para sentir o que não queria ver

    Luminoso fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  57. Minha doce Marilene,
    Que coisa mais linda e emocionante! Parabéns!
    Passei para a visitinha casual.
    Beijos cheirosos de canela,
    Martha Marquez

    ResponderExcluir
  58. Vamos avançando na vida e nada sabemos de verdade.
    Teus poemas são mágicos. Parabéns!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  59. A desconstrução humana muito bem inspirada.
    Cada vez mais iluminada na poesia,torna-se obrigatorio a leitura.
    Perfeita construção Marilene.
    Um abração mineiro.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...