8 de dezembro de 2012

AUTO CRÍTICA

(Nikita Sergushkin)

                                           
                                    Penso e repenso,
                                    Crítico senso
                                    Me atordoa,
                                    Esqueço o voo
                                    Embora me doa
                                    Ficar no chão

                                    Leio e releio
                                    A vã escrita,
                                    Destino inverso
                                    Me apresenta,
                                    E as entrelinhas
                                    Deixam recados
                                    Em sublinhas ocultas

                                    Risco e rabisco
                                    Escrevo e apago
                                    Cai o sentido
                                    E vejo o estrago,
                                    Nada seduz

                                    Nem a caneta
                                    Me aguenta mais,
                                    Lançou-se ao solo
                                    E, esgotada,
                                    Adormeceu


                                                                Marilene

68 comentários:

  1. Nem a caneta aguenta mais. Quando há um excesso de autocrítica e uma baixa autoestima, tudo conspira contra, Marilene. Muitas vezes lemos e relemos, mas não enxergamos. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Marilene, tudo bem?
    Pois me enxerguei um pouco nesse seu poema! Para não dizer, muito!
    Talvez aqui você tenha se referido à escrito, no meu caso, sou mais autocrítica a respeito de outras coisas.
    Interessante reflexão, porque na maioria das vezes, apenas quando nos distanciamos do objeto é que conseguimos vê-lo com clareza.
    Beijos e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Linda e cada vez mais tiro o chapéu pra ti! Sensacional teu poetar! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Marilene, bem que poderias lançar um livro com tuas poesias, adoraria tê-lo na cabeceira de minha cama para no silêncio da madrugada absorver o teor de cada um deles.

    Fico boquiaberta com a leveza que trazes no teu poetar.
    Como disse a Chica, de se tirar o chapéu.

    Estou bem assim, nem a caneta me aguenta mais, e confesso que muitas vezes nem eu.

    Beijos, meu admirar e carinho.

    ResponderExcluir
  5. Mas é no adormecer que a caneta encontra motivos para despertar.

    ResponderExcluir
  6. Marilene,
    Acho que na maioria das vezes as palavras nos levam à exaustão...
    Mas também há momentos (e não são raros) em que o contrário acontece e esgotada a caneta adormece, como em seu poema.
    O mais importante é que a inspiração gosta desse relacionamento sofrido entre a caneta e as mãos e na maioria das vezes recompensa ambas. Prova disso é esse maravilhoso post.

    Muitos beijos

    ResponderExcluir
  7. Nem a caneta me aguenta mais... fugi de mim...
    Beijos...

    ResponderExcluir
  8. E assim vamos rabiscando os sentimentos e os quereres da vida,,,beijos e um bom sábado pra ti amiga.

    ResponderExcluir
  9. Bel testo.
    Un felice week end a te...ciao

    ResponderExcluir
  10. Fico aqui a pensar sobre a inspiração que habita seu coração e peço a Deus para lhe iluminar cada vez mais para que você possa nos brindar com sua pérolas maravilhosas minha querida Marilene.
    Parabéns minha linda poetisa, beijinhos no coração.

    ResponderExcluir
  11. A veces nuestra propia auto-crítica nos hace sumergirnos en la plena oscuridad y nuestra pluma no puede contar con la energía de nuestra manos para poder hablar. La auto-crítica nos llevará a un nuevo impulso, donde nuestros trazos estarán llenos de Luz y dibujados por esa mágica y, siempre, Fiel pluma.
    Preciosos Versos.
    Abraços e beijos.

    ResponderExcluir
  12. Poema controvertido, querida Marilene. Tem dia que é assim mesmo... a gente não está afim de nada. Beijos.

    ResponderExcluir

  13. Olá mana,

    Às vezes exige-se demais da inspiração, que deve fluir naturalmente. Esta nunca lhe faltará, tanto que lhe trouxe belos versos neste momento crítico.

    Você é muito criativa. Parabéns!

    Beijão.

    ResponderExcluir
  14. Espero que a caneta não adormeça por muito tempo, pois o poema espera por ela :)

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Estamos a poucos Dias do Natal
    agradeço seu carinho no decorrer de mais um ano ,
    que esta chegando ao Fim.
    Só tenho que agradecer a Deus por sua amizade,
    agradecer acima de tudo Deus por ter preservado
    minha vida por mais um ano.
    Em meio a tantos obstáculos passando
    por cada um deles movida pela fé e esperança de Dias melhores.
    E para encerrar o Ano com chave de ouro coloquei
    mais um livro em sorteio no meu blog.
    Para participar basta ser seguidor colocar o selinho de participação que esta na postagem do meu blog
    manter seu blog atualizado pelo menos 8 dias no Dia do sorteio.
    Conto com sua participação.
    Uma abençoado final de semana beijos no coração,Evanir..

    ResponderExcluir
  16. Linda a sua Poesia !
    Feliz Natal com muita paz e muita poesia !

    ResponderExcluir
  17. Há sempre um momento
    em que as palavras se nos escapam

    ResponderExcluir
  18. Oii Marilene, tem dias que a inspiração não vem e vc mesmo qdo está sem ela é toda ela rsrs Bjooosss

    ResponderExcluir
  19. Quando a CANETA não cai no chão ADORMECIDA...falta A TINTA.
    Mas...as FOLHAS...sempre estarão lá.
    Beijos amiga, fica com DEUS.

    ResponderExcluir
  20. Pois até a falta de inspiração contraditoriamente pruduz dizeres lindos em versos. A caneta só precisa de um tempo, só precisa outra vez lembrar o quanto pode ser incrível o que rabisca.

    Também tenho preguiça das minhas palavras muitas vezes. Normal, né? Diga a sua caneta que relaxe, mas só um pouquinho.

    Beijo, Marilene.

    ResponderExcluir
  21. Fiquei encantada por tudo e aqui fiquei!

    ResponderExcluir
  22. Como a compreendo minha amiga.
    Há dias assim.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  23. Poema profundo. É tão difícil veja-se o mesmo, como olhando para trás,
    sem se tornar.

    beijos

    ResponderExcluir
  24. MARILENE, compreendemos e temos paciência com os outros. Quando nos colocamos na berlinda a coisa fica assim:
    Risco e rabisco
    Escrevo e apago
    Cai o sentido
    E vejo o estrago,
    Nada seduz

    Muito bacana e real,rs.
    Bjs
    Manoel

    ResponderExcluir
  25. Seguinte: pegue um pedaço de carvão e escreva um verso na parede. A caneta e o papel logo perceberão que você não precisa deles e que eles são inúteis sem você. E voltarão, humildes e obedientes, a cumprir suas obrigações...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  26. Olá, grande amiga Marilene!
    Às vezes, somos muito rígidos conosco, mas temos direito de sermos autoexigentes em qualquer grau, isso é típico de quem tem virtude e é virtuose; enquanto aos outros, nossas exigências são limitadas.
    É admirável como tu cantas poeticamente bem essas questões.
    Poema de ritmo e melodia valorosos.
    Parabéns pelo alumbramento!

    Abraços fraternos.

    ResponderExcluir
  27. Marilene, como vai? Seu poema me fez lembrar o quanto tenho sentido meus sentimentos e pensamentos sufocados e oprimidos, e muitas vezes penso mesmo em adormecer, o corpo, as palavras e os sentidos. Talvez culpa do final de ano...Um abraço!

    ResponderExcluir
  28. Um bom domingo e uma excelente semana pra ti minha amiga,,,beijos e beijos.

    ResponderExcluir
  29. .


    Antes eu achava que a
    saudade matava.
    Hoje eu tenho certeza.

    Beijos,

    silvioafonso







    .

    ResponderExcluir
  30. Meu nome é Francis Perot. Estive aqui em seu blog e achei-o interessante, meus parabéns. Meu blog POESIAS E CONTOS DIVERSOS, se desejar visitar e seguir ficarei muito honrado.
    Se desejar seguir meu blog será uma honra...

    ResponderExcluir
  31. Desejo a você um lindo domingo e uma maravilhosa semana.

    ResponderExcluir
  32. Marilene,
    Mesmo quando a caneta cansa, a mente trabalha com afinco. Penso que a gente tem disso, acha que os versos nunca estão perfeitos, apagamos, corrigimos, tornamos a sondá-los e por fim esgotamos a paciência. Mas é nessa hora que a nossa inspiração genuína está à flor da pele.
    bjks doces e uma maravilhosa semana pra você querida.

    ResponderExcluir
  33. É improdutivo fazer auto crítica,mas de vez em quando acho que é necessário.Mas só de vez em quando.Beijos Marilene!Bom domingo!

    ResponderExcluir
  34. há dias assim, mas a caneta voltará a escrever, pois as palavras precisam de voar na sua pena...

    beijo

    ;)

    ResponderExcluir
  35. Querida amiga. Vc inspira versos! Seja de qualquer jeito o não faltára é inspiração. Vc é inesgotável! Sua forma é sempre admirável, perfeita. Desejo uma ótima semana! Um beijão flor e meu carinho sempre. Andava com saudades!

    ResponderExcluir
  36. Olá Marilene que bela ficou a foto,cabelos ao vento acompanhado de lindo poema.
    Beijo

    ResponderExcluir
  37. Oi Marilena, entre riscos e rabiscos sai esse lindo poema! Parabéns!
    Bjs
    Amara

    ResponderExcluir
  38. Então amiga, é hora do descanso. Bjos.

    ResponderExcluir
  39. Oi amiga querida,

    Tudo bem? Como foi o final de semana? Por aqui, tudo bem.

    Uma vez escutei que escrever curava e aí encarei a min ha escrita como uma linha de cura.Penso que em alguns momentos, ficamos esgotados, mas não podemos desistir porque o escrever e o pagar são mais do que elementos textuais, mas caminhos para o autoconhecimento.

    Linda semana!

    ResponderExcluir
  40. Olá, querida Marilene
    Li sobre o poder terapêutico noutro dia da escrita e creio nisso deveras...
    Tem convite pra vc no blog hoje e amanhã...
    Bjs de paz e bem

    ResponderExcluir
  41. Marilene,como acredito no penso e repenso,no risco e rabisco. E com isso vamos escrevendo a vida.
    Bj Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  42. Minha querida

    A tua caneta nunca vai adormecer e as tuas palavras nunca se vão calar...tu és poesia.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  43. Marilena, sempre, em cada frase tua, em cada poema a formosura de tuas palavras destacam lindos versos! PARABÉNS SEMPRE! Uma semana linda e grandes momentos para derramar tuas letrinhas para nossa alegria! Beijokas

    ResponderExcluir
  44. Achamos sempre que os poemas nunca estão completos, há sempre qualquer coisa que falha...
    É nesse momento que eles ficam completos, porque esgotaram as palavras e dissemos tudo o que está escrito na nossa alma...
    Obrigada pela visita...Espero que volte...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderExcluir
  45. Tao raro isso!
    Adorei e fiquei sem palavras diante da grandeza de cada verso.
    Gosto desse teu jeito poeticamente intenso.
    Parabens!

    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  46. Um belo dia pra ti minha amiga querida...beijos e flores...

    ResponderExcluir
  47. Hoje venho convidar-te a visitar o meu blog
    HISTÓRIAS DE ENCANTAR
    , onde, excepcionalmente, acabo de publicar um post.
    Desde já fico muito grata.
    Beijinhos

    PS - No próximo dia 14 haverá post novo em A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  48. Marilene

    Belo poema, a dizer que a poesia anda no ar preencheendo, a tua mente mnuito fértil.

    Beijos de amizade

    ResponderExcluir
  49. Querida Marilene, Passei para a visita habitual e para dizer que tem hora que eu vou postar um comentário para vc e não dá, aparece escrito, teclado inabilitado. Vc sabe por que? Não é toda vez, mas, na grande maioria das vezes!
    Seus versos são ricos!
    Bjs, Martha

    ResponderExcluir
  50. Querida Marilene!
    Linda poesia, cheia de encanto,melancólica e com muita sensibilidade.

    Amada tem 2 mimos de Natal no meu blog, caso gostar pode pegar os dois.Te ofereço de coração.


    Tenha uma maravilhosa semana.Bjs

    ResponderExcluir
  51. Talvez um dia eu consiga comentar poesia com a qualidade que o seu talento merece!
    Belíssimo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  52. Marilene, eu sou autocrítica, mas quando estou mais afiada é quando melhor escrevo. Que a caneta me suporte!

    Bjs

    ResponderExcluir
  53. A nossa eterna busca que voce belamente disseca com toda sua arte.Sentimentos bailam em cada verso e fica muito lindo estar neste mergulho.
    Meus parabens pelo poetar tão refinado.
    Carinhoso abraço Marilene e bela semana de harmonia e poesia.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  54. Passando só pra te desejar uma ótima semana, Marilene. Bjs

    ResponderExcluir
  55. Um dia maravilhoso pra ti minha amiga,,,beijos.

    ResponderExcluir
  56. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  57. E tantas vezes um poema é "parido" desse jeito...

    bjos

    ResponderExcluir

  58. Eis a resposta ao teu comentário que deixei no blog
    HISTÓRIAS DE ENCANTAR

    Marilene, querida amiga
    Agradeço muito suas palavras, tão lindas!
    Nada pode causar mais felicidade do que distribui-la ao nosso redor, tal com fez o anjinho.
    Uma semana cheia de Luz.
    Beijinhos
    10 de Dezembro de 2012 21:00

    ResponderExcluir
  59. Olá, Marilene.
    Escrever é complicado mesmo, já que muitas vezes só vamos nos dar de conta daquilo que criamos um bom tempo depois de termos criado.
    Acredito que, no ato de escrever, nosso subconsciente toma conta e passamos a ser meros espectadores de nossos escritos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  60. Olá Marlilene;
    Belo poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  61. O que está oculto dentro de cada um de nós, talvez seja o que de melhor temos,
    e se o revelamos... A autocrítica nos interrompe,para que alguns segredos adormeçam .
    Marilene, você com seus poemas perfeitos, sempre faz a gente se vê pelo avesso.
    E só para lembrar estou de pleno acordo com o que disse a colega Majoli, se você ainda não escreveu um livro, está na hora, e com toda a certeza, será o maior sucesso. Também vou adorar. Falo de coração.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  62. Querida amiga
    Vim agradecer sua carinhosa presença lá no meu cantinho.
    Eu vim também lhe oferecer dois selinhos, um de 700 seguidores e o outro com o desejo de Feliz Natal.
    http://www.mariaalicecerqueira.com/
    Abraço muito amigo
    Maria Alice

    ResponderExcluir
  63. Obrigada pelo carinho, seu blog é lindo,vou visita-lo outras vezes,um abraço.
    Maria da Graça

    ResponderExcluir
  64. Há momentos em que a poesia escolhe permanecer presa em nossa essência, sentindo talvez alguma carência do momento, nos emprestando o afago e a doçura das palavras, para mais tarde fluir novamente. Abraços

    ResponderExcluir
  65. Estes momentos, em que pensamos,tentamos e nada acontece...são angustiantes, esgotam...mas depois sempre surge novos horizontes,como se uma luz acendesse e tudo fica claro!
    Ficou lindo em versos!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  66. Oi Marilene,
    Já fui muito severa comigo,confesso que ainda sou exigente,mas não mais como antes,o tempo passa e percebemos que não precisamos de perfeição,só precisamos ser felizes do nosso jeito.
    um ótimo final de semana,abraço,=)

    ResponderExcluir
  67. Visitando, lendo, conhecendo, vou volto.

    abração!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...