18 de fevereiro de 2013

LUXO E LIXO

(Vladimir Kush)

                                   

                                     Há choro no luxo.
                                     Pedras preciosas não adornam
                                     O sofrimento
                                     E a vida não distingue
                                     Pobres e ricos
                                     Para impor tormentos

                                     Há riso no lixo.
                                     Ausência de dinheiro
                                     Não é ausência da alegria,
                                     Capaz de despontar  no pouco
                                     E alimentar-se do quase nada,
                                     Enriquecendo o bem estar
                                     Interior

                                     Há um desalento no luxo
                                     Que julgamos existir
                                     Apenas no lixo,
                                     Pois a magia e o feitiço
                                     São lançados a esmo
                                     Sobre a humanidade

                                                                Marilene

59 comentários:

  1. Que beleza Marilene nestes teus versos repletso de verdades. Um bjão amiga linda!

    ResponderExcluir

  2. Lindíssimo, mana!
    É isso mesmo. A dor e o desalento não escolhem classe social, riqueza ou pobreza. Todos nós, seja no luxo ou no lixo, temos que passar por aprendizados que muitas vezes nos chegam somente com a dor, já que não procuramos aprender pelo amor. Por outro lado, também a alegria poderá reinar tanto no luxo quanto no lixo, dependendo do olhar de cada um e da paz que se carrega no coração.

    Parabéns também pelos dois anos de blog. Você ficou silenciosa a respeito, mas se começamos juntas temos que comemorar juntas, né não?-rsrs

    Beijão.

    ResponderExcluir
  3. O sofrimento não escolha classe, não escolhe cor, não escolhe ninguém. Simplesmente acontece e implacavelmente. E há também felicidade onde não parece ter e assim por diante... Lindo poema, Marilene. Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Luxo e lixo quase parecem nascidas no berço das contradições.
    Não dá para entender que carregamos um e outro elemento a par de muitas alegrias, dores e sofrimento.
    Muitas jóias são as que transportamos no olhar e ainda as que usamos nas palavras de justiça e lealdade - fraternidade.

    ResponderExcluir
  5. Inspiração sempre presente ! Linda poesia! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  6. Há choro no luxo
    No lixo tristeza
    De cheio buxo
    À conta da pobreza!

    Há sorriso de alegria
    Do choro caiem lágrimas
    Com luxo vive a burguesia
    De promessas e palavras!

    A pobreza vive de mãos estendidas
    As migalhas aproveitando
    De direitos com as algibeiras vazias
    Para a burguesia trabalhando!

    Boa segunda-feita para você,
    amiga Marilene,
    um beijinho
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  7. Podemos viver no luxo, mas sem deixar o lixo consumir nossas idéias e ideais, assim como se vivermos no lixo, não podemos deixar o luxo sumir de nossos sonhos e futuras conquistas.


    Tenha uma linda semana abençoada minha amiga!

    ResponderExcluir
  8. Olá, amiga Marilene!

    Luxo é ter um coração feliz.
    E um coração feliz independe de riqueza.
    Parabéns pela inspiração.

    Beijos, linda semana!!

    ResponderExcluir
  9. A magia a esmo sem escolher o luxo ou o lixo! Sempre com lindas poesias, abração

    ResponderExcluir
  10. Olá Marlene, lindos versos, pois há beleza em todos os lugares tanto quanto a feiura,pois tudo depende de quem vê!
    Viver é dom e temos de aprender a reconhecer, aqui nesses lindos versos aprendestes e eu amei ler!
    Grande abraço e que somente o lado bom te atinja pra valer como a magia do bem viver!

    ResponderExcluir
  11. Penso que há mais riso no lixo...e mais feitiço.

    A dor e o sofrimento são transversais às classes, nas as escolhem, mas a pobreza é muito mais criativa.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  12. O sofrimento é democratico... nao escolhe pobres ou ricos, iguala a todos... lixo e luxo...

    ResponderExcluir
  13. Não importa muito se chafurdamos na lama ou se nos deitamos sobre lençóis de seda, se não trouxermos a alegria e a gratidão dentro de nós. Maravilha!

    ResponderExcluir
  14. BOM DIA AMIGA QUERIDA !!!!!
    SAUDADES DE ESTAR POR AQUI TE ACOMPANHANDO...O CARNAVAL ME LEVOU E SÓ ME TROUXE AGORA,RSRSRSRSRSR
    VC É SEMPRE MERITÓRIA DOS TEUS ESCRITOS,POIS ENTRAS NO MUNDO LITERÁRIO COM FORÇA TOTAL...BJSSSSSSSSSSSSSSSS

    ResponderExcluir
  15. Há coisas incontornáveis que nenhum dinheiro compra...

    beijos

    ResponderExcluir
  16. Exato! O status social não é escudo protetor para a angústia e a dor... Somos todos vulneráveis!
    Sua imagem arrasou amiga!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Bom Dia amiga .
    Lixo e Luxo seguem de mãos dadas nessa vida.
    O lixo faz parte muitas vezes do luxo.
    Tem pouca diferença tem coisas nesse mundo que nem Euros compra.
    Quanta verdade na sua postagem Dra: Marlene.
    Uma linda e abençoada semana beijos ,Evanir.

    ResponderExcluir
  18. Amiga Marilene, excelente reflexão poética!
    Um abraço. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  19. Ah Marilene, quanta sensibilidade revelas sempre em teus escritos.
    Para ler e refletir.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  20. Ainda bem que a paz e alegria de espírito independe do poder aquisitivo. Lágrimas banham qualquer face, independente do material do "berço".
    Adorei o poema Mari!
    bjks doces e uma semana maravilhosa!

    ResponderExcluir
  21. Oi, Marlene! Não sei, talvez somente uma impressão, mas senti como um nó amarrado e oculto no seu poema...me pareceu de alguma forma o reflexo de uma indignação sobre injustiça entre ricos e pobres; mas talvez seja reflexo somente da minha sensibilidade que anda à flor da pele.
    De qualquer forma concordo contigo...Se as pessoas se dessem conta do quanto todos estamos no mesmo barco, ou seja, no mesmo pé de igualdade, haveriam menos desigualdades e injustiças.
    Adorei, seu talento me encanta sempre! Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. ...a magia e o feitiço
    são lançados a esmo
    sobre a humanidade

    é verdade

    mas a humanidade
    tem condições diferentes
    para lhes aceder

    (nem sempre os poetas me dizem as coisas certas...)

    ResponderExcluir
  23. Que lindo Marilene, sem duvida o dinheiro não impede ninguém de ser infeliz, linda imagem tbém! Bjoooss

    ResponderExcluir
  24. Querida que lindo!Dinheiro ou pobreza não impedem a felicidade de ninguém.Belo poema.Amei...Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  25. Olá Marilene,
    Palavras muito sábia que nos leva a reflexão.

    Depois de um tempinho ausente do blog estou de volta.
    Deixo um grande abraço!
    Ótima semana!

    Refletindo com a Smareis---Clique Aqui----

    ResponderExcluir
  26. Marilene

    Sou assim mesmo, mas os teus poemas são bastante filosófícos e estimulam o irrequeitimo da mente. Bem visras as coisa nunca me senti no lixo, nem no luxo. Não sei o que ser, verdeiramente, infeliz.
    Beijos de amizade

    ResponderExcluir
  27. Había un novela que se llamaba "Los Ricos también lloran" y es cierto.
    La Felicidad no depende del estatus social del que provengamos y como dice un Refrán castellano:
    No es más Feliz quien más tiene, sino quien menos precisa.
    Preciosa Entrada.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  28. Parabéns te dá um bruxo
    Por dois anos de capricho
    Neste teu blogue de luxo
    Feliz qual pinto no lixo...


    Deixo igual recado na Vera... beijos.

    ResponderExcluir
  29. De fato,Marilene, por vezes há choro no luxo e riso no lixo. Uma coisa nao implica a outra. A felicidade mora num lugar muito alem da pobreza e da riqueza. Ela mora no nosso bem estar como ser humano.
    Mais um poema de grande reflexão. Parabens!

    PS:
    Querida, estive com problemas com o blogger e nao estava conseguindo postar mas hoje finalmente consegui.
    Esta lá a sua arte enfeitando o nosso Atitude: http://temosatitude.blogspot.com.br/2013/02/com-palavra-marilene.html

    Muito obrigada por permitir a partilha!

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É motivo de orgulho estar em seu espaço. Obrigada!!!!!! Bjs.

      Excluir
  30. Genial, Mari!

    Antíteses super bem colocadas, revelando paradoxos da humanidade.
    Você entrou para o rol de minha poetas (atuais), preferidas!
    Parabéns querida, vc é fera com as estrofes.

    mile baci

    ResponderExcluir
  31. É verdade, o sofrimento não escolhe classe social... linda poesia... beijos

    ResponderExcluir
  32. O valor material é uma classificação humana, perante Deus somos iguais em busca do aprendizado, e melhor será se fizermos pelo amor do que pela dor. Bjos, Marilene.

    ResponderExcluir
  33. Infelizmente tem pessoas que acham que só o luxo trás felicidade,
    que engano tosco e o que somos de verdade diante de Deus?
    Luxo ou lixo?
    Bela reflexão querida Marilene e um poetar maravilhoso...bjs

    ResponderExcluir
  34. Olá, Marilene.
    Belíssimas palavras.
    Não importa o quanto possuímos e sim o quanto sentimos.
    O que realmente conta é sermos felizes com aquilo que teos e somos, e não passarmos a vida adquirindo coisas sem valor.
    Abraço.

    ResponderExcluir

  35. PERFEITA POESIA.
    A felicidade só existe para quem sabe ser feliz.










    a

    ResponderExcluir
  36. Oi Marilene
    Como sempre maravilhosa! Colocando as palavras no devido lugar,nos deixando sem palavras!
    Bjos. Fique com Deus!
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  37. Querida amiga

    O luxo e o lixo,
    são para mim os extremos
    de tudo aquilo
    que não pode
    ser considerado
    felicidade.

    Desejo que o amor,
    faça morada em seu coração.

    ResponderExcluir
  38. Ham! Quadragésimo comentário... Agora a pouco, comentei um quinquagésimo comentário... E, assim, vou de fragmento a fragmento, manifestando as verdades que não são minhas, embora, eu tenha as verdades próprias e intransferíveis. Não há lixo sem luxo. Não devemos despresar nenhum, nem outro. Em ambos podemos ver os desíginios do criador; Tsnto um wusnto so outro, a expressão do trabalho é evidente; e, o trabalho é o amor em formato de ação, é a prece mais convincente que agrada a Deus. As palavras existem mas, se não estiverem impregnadas do amor partidas do coração, de nada valem. Portanto, O luxo é o resultado de mãos calejosas que propiciam o bem- estar de quantos possam se darem ao luxo de exibí-lo. Em tudo há uma razão de ser. Tudo caminha por linhas tortas que ainda podemos compreender de modo absoluto.
    Descupe-me se estou sendo prolixo demais, mas, esta é a minha visão da vida e, sinto-me a vontade para receber o contraditório.
    fique com Deus!...

    ResponderExcluir
  39. Corrigindo:
    Onde se lê Tsnto um wusnto, lê-se, tanto um quanto o outro... E, ainda podemos compreender, lê-se, ainda não podemos compreender.
    Desculpe-me por esta embaraçosa emenda.
    Fique com Deus!...

    ResponderExcluir
  40. Perfeito Marilene!! O verdadeiro Luxo está na maneira com decidimos levar a vida, com respeito ao próximo, alegria, honestidade e compaixão.
    Parabéns pela postagem.
    jorge-menteaberta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  41. Oi, querida Marilene!

    O luxo, em exagero, nunca traz felicidade, porque o dinheiro não compra tudo.

    Os menos afortunados, materialmente falando, conseguem sorrir e tentar arranjar sempre forma de remediar a situação, com esperança e sabedoria.

    Rico tem tudo e quer ter o impossível. A vida dele, acaba no lixo e os outros, quase sempre acabam felizes e satisfatoriamente, em matéria de bens materiais.

    Uma excelente noite.
    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
  42. Beleza... você diz tudo em poucas linhas: no luxo, na verdade, existe quase que só lixo. Um certo brilho que ofusca, nada límpido. Uma construção em bases falsas. Bela obra de Kush!

    Beijos, Marilene!

    ResponderExcluir
  43. Me lembrou Joãosinho Trinta apontando o dedo na cara da sociedade hipócrita, dizendo do luxo que há no lixo e vice-versa.

    Sublimando com as palavras, só pra variar, né moça?

    Beijo!

    ResponderExcluir
  44. MArilene fiquei vibrando ao ler este maravilhoso enquadramento entre luxo e lixo.Ficou divino.
    Meus parabens amiga por tão iluminada inspiração.
    Meu carinhoso abraço.
    Bjo.

    ResponderExcluir

  45. Minha querida,
    Contaste bem e com muita sabedoria esse poema.
    O luxo e o lixo são interligados.
    Eu digo com certeza que mesmo morando nas ruas, tive luxos, aqueles que a alma saboreia. Havia alegria, solidariedade e doação entre nós, ali havia o luxo da humildade.
    Ali eu observava também o luxo de posses. Aquele que só o dinheiro maneja, ele era soberbo com os pés descalça de alguém, ostentava o que já nem conseguia usar, a tristeza parecia um buraco que o portador do luxo não percebia. Era solitário, desconfiado, grosseiro, e egoísta na maioria das vezes. Com certeza: prestando bem atenção, havia ali uma pobreza nos olhos do luxo, que a não importância do lixo detectava.
    Luxo e lixo é potência conhecidas, mas onde há amor há aprendizado. Há aqueles que são ricos no lixo, e há os que são pobres no luxo.
    Marilene, te deixo um forte abraço.

    ResponderExcluir
  46. Contraste. A palavra era essa Mari. desculpa o descuido.

    ResponderExcluir
  47. Pobre luxo desorientado.
    Tão preocupado com seu esmo que se faz desolado.
    Quando que o lixo, por não dar valor às coisas
    Acaba que se dedica ao tudo a todos e por vezes às avessas...

    Pobre do luxo pelo luxo empobrecido!
    Sábio o lixo que do lixo se faz rico em desmedido!

    Lindo, perfeito, sábio por deveras... indiscutivelmente como a todos que leio, sou eu o admirado pelos seus textos, seus poemos e suas histórias poeticamente contadas!

    Beijos meus.

    ResponderExcluir
  48. nem sempre o dinheiro dá felicidade

    por isso o teu poema faz sentido

    um beijo

    ResponderExcluir
  49. Como sempre a nos presentear com um lindo poema muito oportuno e com todo o sentido.
    Beijo

    ResponderExcluir
  50. Algumas pessoas se entregam totalmente ao luxo e quando percebem só produziram lixo"
    que bela postagem!

    ResponderExcluir
  51. Um excelente Poema ! Gostei muito .

    ResponderExcluir
  52. Mais uma bela postagem! sempre com muita sabedoria estes poemas! obrigada por partilhar estas belezas e me deixar sem palavras...
    Bjs

    ResponderExcluir
  53. Amiga querida,

    Sábia como sempre. Costumo ver lixo nos excessos do luxo, bem como nas pedras e bailhantes que só brilham para o ego.

    Beijos e sempre contigo!

    ResponderExcluir
  54. Luxo e lixo
    dualidade que sempre enfrentamos.
    Marilene. Adorei.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  55. Olá Marilene!
    Mais um belo poema! Quanta verdade em tão poucas palavras.É para pensar nesta dualidade: luxo/ lixo!
    Parabéns, amiga.
    Um abraço de Portugal.
    M. Emília

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...