24 de março de 2014

O BÊBADO

(Karen Wallis - British Figurative painter)

                                           

   
                                                                         
                              Bebe ...
                              Tenta esquecer as sombras
                              Que o habitam
                              E as que o rodeiam
                              Sem dar trégua.
                              Cai-lhe bem o álcool - pensa,
                              E seus efeitos o corroem

                             Bebe...
                             A sobriedade o incomoda
                             E percebe o quanto é frágil
                             O quanto é desonesto
                             Consigo mesmo.
                             Bendito álcool - assevera,
                             E vai escondendo seus temores

                             Bebe...
                             Caminha pelas ruas
                             Qual vagabundo
                             Pra não se sentir imundo
                             Como se reconhece,
                             Mas de nada se esquece

                             Bebe ...
                             Tenta camuflar a saudade
                             Que mais  aflora
                             A cada nova aurora,
                             Desde que ela,
                             Desse vício cansada, 
                             Foi embora

                                                           Marilene





50 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Triste quem tem esse vicio, não? Faz mil promessas de abandona-lo mas no fim é abandonado pois nao ha quem aguente.

    Paraben pelo poema tão bem versado!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. E o alcool nem promove tanto a fuga, acredito, porque depois voltam sempre com mais assiduidade, os muros a serem transpassados! abração

    ResponderExcluir
  4. Um vício triste ,uma roda vida de quem bebe pra esquecer ,depois bebe pra melhor viver e assim vai! beijos,linda semana,chica

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Marilene.. lendo tua poesia lembrei de uma obra que fiz toda a este vício que tanto prende os seres humanos.. o maior dos escritores Edgar Allan poe era um desses.. bebia para tirar suas loucuras me forma de contos.. de qualquer maneira o beber é uma grande mágoa que afoga uma alma rica.. bjs de bom dia

    ResponderExcluir
  6. Prazer em conhecer o seu blog!
    Bonita descrição de um bêbado. Um vício terrível.
    Beijinhos e boa semana

    ResponderExcluir
  7. Poetisa , inestimável Marilene !!! Que saudade deste seu recanto, que tanto me faz estar em um profundo estado de plenitude . Lirismo puro nas veias . Que saudade disso tudo . Estava numa fase apagada , já sou um vaga-lume da blogesfera rs rs mas espero mudar essa situação com esse atual estado de luz .

    Enquanto ele afoga as suas mágoas na bebida , lembras de sua amada e a cada gole a dor é esquecida mas logo depois tudo volta à tona e a amada então passa a ser novamente sentida ...que dor , meu caro , que dor ...Cabe a ti , voltar pra realidade e ao invés de se embebedar no álcool , experimente , meu caro , se embebedar na poesia e começando pela poesia da poetisa Marilene .

    Ah ...acabei de me embebedar e como estou ? Poetizado , ou melhor Poetibebado rs .
    Muito obrigado pela sua obra ! Voltarei mais e mais vezes para me embebedar dos versos da sua criação .

    Tenha uma semana de paz e sinta a minha admiração !!!! Abraços ....

    ResponderExcluir
  8. Oiii amiga, Beber p esquecer! Quantas vezes ouvi essa frase de amigas na adolescência srsr e a bebida só fazia piorar a situação em que se encontravam srsr beber socialmente de vez em quando é bom, mas ser escravo da bebida é muito triste! Bjosssss

    ResponderExcluir
  9. Marilene, seus versos são para várias leituras e interpretações, quantos bêbados já fomos de alguma maneira. Aquele que esquece, aquele que sofre, aquele que lembra demais, aquele que adoece, aquele que se viciou, aquele que não tem mais nada e por isso bebe....E, continuamos a beber para nos sentirmos bem ou para não lembrarmos que ficamos sozinhos, em um mundo em que o bêbado é desprezado. Lindo, lindo! Grande beijo!

    ResponderExcluir
  10. Embebedar-se de álcool não soluciona problema algum...
    Embebedar-se de amor sufoca o outro...
    Embebedar-se da realidade mata a ilusão do viver...
    Tudo o que transborda a sua "medida convencional" não nos faz bem algum.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Oi Marilene, boa tarde!
    Maravilhoso seu texto e o comentário da Célia Rangel, achei perfeito...
    O álcool é uma fuga.
    Muitas pessoas não conseguem encarar a vida e seus desafios constantes,
    e refugiam-se no álcool e em outras drogas e isso é triste.
    Desejo uma linda semana. \o/
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Um triste vício que ttransforma a vida, em nada ajudando.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Olá Marilene. Lindo poema sobre uma realidade tão triste!
    Boa semana pra você.

    ResponderExcluir
  14. Marilene, que sendo uma denúncia, não deixa de ser belo, a demonstrar o teu habitual de observação. Normalmente, que é dependente do álcool, diz beber para esquecer.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá, querida Marilene!

    Infelizmente, esse é o "cenário", que vemos nas ruas, e até, em casa, em determinadas famílias.

    Por que se bebe? São tantas as causas, que, dificilmente, encontraremos, a "certa", mas a falta de amor e a solidão, estão no topo da lista.

    Gostei muito da estrutura de seu poema, da métrica, que está perfeita, e do tema, que, é, infelizmente, bem atual e social.

    Beijos, com apreço e estima.

    ResponderExcluir
  16. Bom dia

    Dizem que quem bebe em demasia tenta afogar as suas mágoas. Não penso ser bem assim...mas na verdade tem muito disso.

    Deixo cumprimentos
    **************************************
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  17. Olá,Bom dia,Marilene
    ...gostei ...é uma triste realidade...a tendência é essa: ou abandona a bebida ou será abandonado, mesmo...eu estou de "camarote aqui", não bebo,porque tenho uma baixa tolerância ao álcool ( e isso predomina nos asiáticos e descendentes)...porém, penso que o ato de beber é um vício , quando existe uma má adaptação a esse consumo, levando a uma dependência e um prejuízo à vida da pessoa e se dizem que quando Deus fecha uma porta ele abre uma janela, às vezes Ele derruba uma parede, não me conformo quando vejo alguém beber para esquecer, beber para sair da rotina, beber para entrar na rotina, beber para comemorar, para lembrar , beber para cair, para levantar...para resolver todos os problemas e para ficar com um problemão, pois até o senso crítico, com o àlcool, desaparece...
    Obrigado, Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Pior é a ressaca moral que a bebida provoca...

    Beijos...

    ResponderExcluir
  19. Há quem beba por cobardia de enfrentar a vida...
    Excelente poema, minha amiga, gostei muito.
    Marilene, tem uma óptima semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Há um diálogo primoroso sobre isso em "O Pequeno Príncipe", à altura de teus belos versos. E a pior desculpa é "para evitar a ressaca"...

    Beijo.

    ResponderExcluir
  21. O que poetizaste é uma realidade vivida por muitas famílias, infelizmente.
    Tenha uma tranquila noite.Bjs

    ResponderExcluir
  22. Mardita cachaça! rsss
    Show!
    A gravura também é 10.

    ResponderExcluir
  23. A bebida se morta um escape...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  24. Olá, Marilene. Venho desejar um bom dia ! Estava com saudades de ler vc. Uma realidade triste que corrói, mata.... descreves tão bém que se torna primoroso. Gostei muito da imagem! Deixo um grande abraço com muito carinho. Espero voltar breve! Cheia de saudades. Agradeço o carinho mesmo ausente lá no blog! bjossssssssssssssss obrigada.

    ResponderExcluir
  25. Bom dia, Marilene!
    Cada vez mais aumenta os dependentes do álcool, não pretendo criticar os alcoólicos, nada acontece por acaso, quem bebe tem as suas razões, pena é, antes de se tornarem dependentes não pensarem na sua saúde e de quem os rodeia.
    Seu lindo poema é adequado a uma realidade em cada vez mais as pessoas são marginalizadas.
    Abraço
    ag

    ResponderExcluir
  26. Infelizmente esse é um vício que destrói muitos amores, muitos lares e muitas criaturas fracas. Uma poesia muito triste... Um bj

    ResponderExcluir
  27. Olá, Marilene.
    Bela criação; infelizmente, a bebida, por ser legalizada, torna-se viciante muito facilmente, já que pode ser conseguida em qualquer lugar.
    O vício nada mais é do que uma fuga da realidade e de nada nos serve, já que apenas aumentará nossos problemas, sejam eles quais forem.
    Devemos sempre refletir sobre o que fazemos, para que nossas ações não se tornem nocivas a quem nos ama de verdade.
    Abraço e obrigado pela visita, Marilene

    ResponderExcluir
  28. Marilene, tudo bem?
    Já estava com saudades das tuas letras!

    Interessante como você consegue versar sobre um tema de cunho social e tão importante, mantendo a delicadeza nas linhas e todos os encaixes tão precisos... Maravilha!
    Sem muito mais o que dizer.

    Grande beijo e ótimos dias!

    Vou olhar os teus outros blogs.

    ResponderExcluir
  29. Oi Marilene, tudo bem querida?
    Incrível como retratou de uma maneira tão bonita (poética) o vício da bebida e a dor que provoca naqueles que nela depositam todas as amarguras e as tristezas da vida.
    Creio que seja um tipo de anestesia, pois embriagados, ficam sem poder contestar ou lutar para melhorar de vida....

    Beber, não deve ser feito nem com moderação, pois pode levar a um caminho sem retorno...
    É preciso total autocontrole..
    O último estrofe é de cortar o coração: a saudade provocada pelo abandono, pela dor da partida...
    É assim o presente que a bebida oferece....

    Encantada Marilene, fazia tempo que não aportava por aqui, mas sei que aqui é um porto seguro!
    Beijos e uma semana espetacular, de muita luz!! :))

    ResponderExcluir
  30. Marilene,

    Ontem um amigo fez um comentario certo: a bebida é a porta para outros vícios.
    Lamento demais os fracos. Eu tenho um amigo que quase acabou com seu futuro começando com bebidas. Realmente, foi a porta para outros vicios. Mas ele venceu tudo isso pq tinha força de vontade.

    Bjs

    ResponderExcluir
  31. Uma muleta psicológica, frágil e efêmera que aprofunda mais a dor, a saudade e a certeza da fraqueza humana diante da realidade.
    Uma dolorosa precisão desse vício. Belo trabalho, Marilene.

    ResponderExcluir
  32. Um poema que reflete a realidade de muita gente. Em suma, se bebe pra fugir sem sair do lugar. Bjsssss

    ResponderExcluir
  33. Oi mana,

    Somente agora vi que você havia publicado.
    Esconder-se atrás da bebida é mera ilusão. O efeito passa e a realidade aflora. Bebe-se de novo para aliviar a dor e quando se percebe já se é um alcoólatra. Hoje mesmo, assistindo ao jornal, vi um homem sendo conduzido pelos policiais porque caiu de uma moto de bêbado. A polícia ligou para a casa dele e a mulher pediu para que eles apreendessem a moto e o prendessem porque ela já não aguentava mais. Quem aguenta conviver com uma pessoa que bebe exageradamente?
    Nenhum amor resiste e, lamentavelmente, aqueles que fazem uso abusivo do álcool, seja por qualquer razão motivadora, acabam desprezados e perdendo tudo na vida.

    Poema lindo, refletindo uma triste verdade.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  34. O hábito de beber é um vício que corrói a vida e envenena as relações.
    Antes ele bebia porque sim, agora bebe para esquecer a saudade.
    Aparecem sempre justificações para isso...

    Tenha uma óptima 5ª-feira, minha amiga.

    Bj

    Olinda

    ResponderExcluir
  35. O bêbado é uma pessoa que tente à solidão, pois quem o aguenta? Gostei muito do seu, Marilene.
    Beijos e bom dia,
    Renata

    ResponderExcluir
  36. Quanta dor habita o coração de um bêbado, tanta solidão, desamor, fuga, quantos "nãos"...
    Triste beber.
    Um abraço querida Marilene.

    ResponderExcluir
  37. Excelente poema!
    A realidade nua em cada verso...
    Gostei mesmo muito!

    Beijo

    ResponderExcluir
  38. Minha querida

    Um poema muito real e que descreve com muita verdade esse vício maldito que destrói tantas famílias e causa tanto sofrimento de quem vive a seu lado.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  39. grandes versos, gostei imenso do poema que enaltece um dos maiores vícios da sociedade actual. fantástico trabalho :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
  40. Olá, querida Marilene
    Tenho dois 'coitados' na família que passam pelo mesmo mal...
    Bjm fraterno e quaresmal

    ResponderExcluir
  41. Oi Marilene, como és perfeita poetisa. Acho que é assim mesmo que um alcoólatra se sente.
    Perfeito, perfeito.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  42. Uma clássica maneira de enfiar a cabeça debaixo da terra.

    No caso do poema, justamente se utilizando do que o personagem teve como desgraça...

    muito bom!

    bjos

    ResponderExcluir
  43. UN POEMA MUY BOHEMIO. ME GUSTA.
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  44. Tu mandaste e eu obedeci rsss.
    Tá continuado. Pode conferir.

    ResponderExcluir
  45. Um belíssimo poema. Um dos que mais gostei dos muitos que tenho lido neste espaço.
    Um abraço e bom domingo.

    ResponderExcluir
  46. Este seu poema dedicado ao bêbado está como sempre mtº. bem escrito. Mas
    ultimamente estou a conviver mal com a situação do "bêbado" porque uma amiga
    minha já gastou milhares de euros em clínicas de reabilitação do filho que se
    tornou alcoólico, e ele não se quer curar. Está-se a destruir e a destruir a mãe.
    Bjs e bom domingo.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  47. Sempre ouvi dizer que quem bebe é para se atordoar, para esquecer...o poema é lindo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  48. A poucos minutos atrás deixei um comentário no blog da sua irmã, comentando sobre meu ex marido alcoólatra...Chego aqui e encontro estes versos...kkkkkk
    Eu não tenho uma relação muito boa com a bebida nem com quem abusa dela...Nunca fiquei bêbada, por mais que eu tentasse kkkk. Meu organismo não suporta o álcool! E de gente bêbada quero distância... Além do mais, beber para esquecer é um grande bobagem...A sobriedade chega logo e você tem que encarar a realidade.... Mas gosto de uma taça de vinho com os amigos...Ou um cervejinha gelada no verão (sem exageros) é muito relaxante! Tim, tim!!!

    Boa semana e um beijo

    ResponderExcluir
  49. O cair e levantar que se sucedem até que nada mais lhe erga, vai se o senso, a alma e nada acalma a fúria louca da degradação em todos os sentidos. Um poema para reflexão.
    Carinhoso abraço amiga.
    Beijo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...