10 de novembro de 2014

EM NOME DO AMOR

(Katerina Lomonosov )


                          Arrancou o véu
                          E expôs o triste olhar .                                             
                                Lentamente, eliminou a mordaça
                          E pela primeira vez
                          Pode ouvir sua voz sem murmúrios,
                          Limpa e forte
                          Como a desconhecia poder ser.
                          Rompeu todos os elos
                          Que a prendiam ao silêncio
                          Doído e conformado,
                          Que sem vontade abraçara
                          Em nome do que, em outros tempos,
                          Chamara amor

                          Desnudou-se frente ao espelho
                          E observou, ainda com dor,
                          As pequenas cicatrizes
                          Que ocultava sem orgulho,
                          Resultados de impensado mergulho
                          No medo e na escuridão,
                          E que, ingenuamente, permitira,
                          Em nome da mentira
                          Que, em outros tempos,
                          Chamara amor.
                                As outras, as mais profundas,
                          Guardara, humildemente,
                          Em seu interior

                          Vestiu-se com zelo
                          Pegou a pequena maleta
                          Abriu a porta e partiu ...
                          Deixou para trás as sombras
                          As costas curvadas
                          As unhas encravadas
                          E a boca fechada.
                          Cantarolando, 
                          Desapareceu na multidão,
                          Levando consigo
                          Um liberto coração

                          Atitude tardia, bem sabia,
                          Por anos arrastada em sofrimento
                          E que destemida, adotava
                          Em nome do que agora,
                          Com propriedade,
                          Também chamava amor,
                          Mas por si própria


                                                                            Marilene




49 comentários:

  1. O amor por si própria é o verdadeiro amor, sempre digo isso.
    Inclusive respondi isso para alguém na minha tag, para os cristãos, Jesus disse que era para amarmos ao próximo como a nós mesmos, não mais que a nós mesmos. Pois seria impossível doarmos algo a outros que não possuímos.
    Adorei a poesia.
    Em nome do amor... O AMOR PRÓPRIO, acima de tudo!
    Beijos amiga e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  2. Que pena, não dá para salvar :(
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Um poema em alter ego, mas que irradia dos laços de quem voltou a si própria...Poderia tocar na universalidade mesmo que fosse em primeira pessoa...A poesia foi e será sempre um voo libertador.

    Abraços, Marilene.

    ResponderExcluir
  4. Acabou em bem a história dessa mulher!
    Na verdade, só quando se tiram os véus é que qualquer coisa pode acontecer!
    Beijinho para si, amiga!

    ResponderExcluir
  5. Um poema de apoio para tanta mulher vitima de violência. Em Portugal são cada vez mais as mulheres cujas vidas são ceifadas por aqueles que no altar juraram amá-las e respeitá-las.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  6. É... as vezes nos falta amor próprio em várias situações!

    Engraçado que foi ao contrário do amor mostrado pela sua irmã no blog dela!

    Obrigado por essas leituras sempre boas!

    Tenha uma linda semana!

    ResponderExcluir
  7. Beleza,Marilene! Bela inspiração e a imagem perfeita! Ela demorou,mas acordou! Chegou sua hora de libertação! bjs, tudo de bom,linda semana,chica

    ResponderExcluir
  8. Uma mala em cima do catre sem colchão!
    uma bela moça nele triste sentada
    a seu lado,um par de sapatos no chão
    talvez esteja ela por amor apaixonada?

    Boa segunda-feira amiga Marilene, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  9. Marilene : Um belo poema amei ler. O amor quando é verdadeiro arranca de nós todos os silêncios e mordaças
    Beijos
    Santa cruz

    ResponderExcluir
  10. Que um dia não faça a mala
    e parta de si mesma
    (há sempre um risco
    num excesso de intimismo)

    ResponderExcluir
  11. Lindo poema.Só o amor a si próprio abre as portas para o AMOR. Boa semana, bjs

    ResponderExcluir
  12. E no fim o amor venceu!
    E diga se de passagem o amor mais importante, pois sem amor próprio não se pode amor por completo um outro.
    Um poema lindo e verdadeiro!
    bjkas doces e boa semana

    ResponderExcluir
  13. Lindíssimo, mana.
    Quantas mulheres ainda sofrem e se submetem em nome de um pretenso amor ou em razão do medo e da insegurança. É preciso que haja coragem para libertar-se dessa situação de dor e renúncia de si próprio. Ninguém merece viver sob o jugo de um amor doentio e que lhe furte a autoestima. Nunca será tarde para essa libertação. Um amor de verdade exige respeito mútuo e somente com amor se paga.
    Estivemos sintonizadas, pois embora com focos diferentes, o amor esteve presente em nossas postagens de hoje.
    Imagem perfeita para ilustrar o poema.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  14. Costuma-se ouvir, e dizer, que o amor cega!
    É preciso, ao se amar o outro, amar-se também a si, para "iluminar" as ideias... rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lúcia, é um prazer receber você, mas não encontro seu endereço para retribuir a visita. Por favor, deixe-o. Bjs.

      Excluir
  15. Olá, querida Marilene
    Que bom trocar a auto piedade pelo auto amor!!!
    Muda tudo radicalmente...
    Bjm fraterno e ótima semana!!!

    ResponderExcluir
  16. Que lindo Marlene.
    Quantas pessoas passam por isso...
    A falta de amor próprio cega.
    Adorei.
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Marilene,
    Ainda bem que o amor próprio
    alcançou esta mulher.
    Mesmo com cicatrizes visíveis ou não,
    pra ela, chegou o momento do recomeço...
    Ótima semana pra vc, bjs!

    ResponderExcluir
  18. Nem olhou para trás, deixou tudo que lhe desagregava e partiu para um lugar chamado Esperança, onde quem sabe o amor seja amor sem as mascaras.
    Lindo demais Marilene, pois que o amor próprio sempre faz uma linda carreira.
    Bela semana com paz e alegria amiga.
    Beijo

    ResponderExcluir
  19. forte e actual, um tema que você transportou para poesia com um talento excepcional

    acho que é um dos melhores seus.

    gostei muito!

    :)

    http://www.olharemtonsdemaresia.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  20. Em nome do amor, cmantêm-se o vèu sem perceber que ele está sendo o símbolo do sofrimento... Um dia porém começa a enxergar diferente e com coragem retira o véu e vai em busca de uma ourtra vidaonde a felicidade certamente está esperando.
    Um abraço,
    Élys.

    ResponderExcluir
  21. Um poema minha amiga que revela tanta realidade escondida em cada casa, em casa quarto.
    A coragem que é preciso para em nome do amor por si própria começar a viver.
    Um poema tocante e muito sensível.

    beijinho comovido

    ResponderExcluir
  22. As vezes, a viagem do autoconhecimento é feita de forma muito
    dolorosa, quando guiada pela falta de amor próprio. Mas,
    quando superada com a redescoberta da importância de Ser,
    a libertação permite um novo espaço e tempo para a
    preciosidade de Viver...
    Marilene, excelente,belo e comovente a construção poética
    e a intervenção existencialista deste teu poema, bravo!!
    Bjos.
    A imagem escolhida acompanha a excelência do poema...

    ResponderExcluir
  23. ME GUSTAN LAS MUJERES ASÍ, QUE SEAN VALIENTES, LIBRES.
    BESOS

    ResponderExcluir
  24. Um liberto coração, essencial.
    Tenha dias abençoados. Bjs

    ResponderExcluir
  25. Olá, Marilene! Lindo poema, liberdade a um coração cativo, cheio de sofrimento. O amor é sentimento libertador, onde estar perto de quem se ama é uma escolha, e só se trouxer alegria, não é mesmo? Ela se libertou, há inúmeras mulheres que aceitam a dor e deixam de viver, padecendo de conformação. Um abraço!

    ResponderExcluir
  26. Muitas coisas guardadas no coração...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  27. Marilene, adorei o poema, pois é belo e extremamente tocante; foste feliz, assim como foste feliz na escolha de foto de tal singeleza e expressividade. Parabéns!

    ResponderExcluir
  28. OI MARILENE!
    UM TEXTO EMOCIONANTE A MEDIDA EM QUE, SABEMOS DE MUITAS MULHERES RECLUSAS DE MEDOS, DE IMPOSIÇÕES QUE VIVEM UMA VIDA INTEIRA ASSIM, SEM TER CORAGEM DE CORTAR AS AMARRAS E PARTIREM PARA A VIDA, LIVRES.
    LINDO DEMAIS AMIGA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Visualizei todas as situações enquanto lia esse intenso poema, Marilene. Muito bom. Bjs e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  30. Acima de tudo tem haver o amor próprio!
    Lindo poema, como sempre!
    partir ao encontro de si própria é a solução!
    Bjus e lindo final de semana!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  31. Chega um momento na vida em que as amarras têm de ser desatadas, os grilhões desfeitos.
    Lançar a voz, fazer das fraquezas força e caminhar com a cabeça levantada desafiando o
    medo e a sujeição.

    Cara Marilene, este seu poema retrata a situação de tantas mulheres, de tanta gente por esse
    mundo fora e também muito perto de nós.

    Bjs

    Olinda

    ResponderExcluir
  32. Para amar alguem é preciso se amar primeiro...


    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  33. Oportuno, actual, gritante, este Poema sobre o Amor maltratado.
    Há outra justiça para quem ame maltratando e violentando.
    Um momento para a Meditação sobre a Sociedade que nos tem.
    Parabéns, Marilene.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  34. Olá Marilene! Lindo poema , . Bem profundo e reflexivo. Tem horas na vida que é mesmo preciso mudar a roupagem, desatar elos que nos prendem ao passado. Difícil decisão , mas necessária para que possamos retomar a vida com novo ardor. Novos amores virão. e , com certeza o primeiro já apareceu: o amor próprio. Bom domingo.

    ResponderExcluir
  35. Oi Marilene
    Quando temos atitude tudo se ameniza depois da dor .Mudar ,criar novos laços e gostar-se intensamente.É dificil e necessário.
    Poema forte e repleto dos sentimentos das perdas que todos nós já sentimos um dia ,
    Boas inspirações boa semana
    abraços meus

    ResponderExcluir
  36. Quando agimos preservando o nosso amor próprio tudo se conforma e suaviza com o tempo.
    Unm abraço.

    ResponderExcluir
  37. Ola Marilene,
    Um poema profundo que
    mostra que antes tarde do que nunca.
    Nada como a liberdade em todos os sentidos.
    beijos

    ResponderExcluir
  38. A vida é feita de voos e mergulhos, como a sua poesia.
    Amei!
    Beijo*

    ResponderExcluir
  39. Um poema-denúncia, eu diria... muito bom!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  40. Soubeste bem expressar esse momento tão importante de libertação quando uma mulher consegue desatar os nós, retirar a mordaça e a venda que a impediam de olhar o mundo dentro da realidade. Com maestria nos mostras esse despertar para a vida, essa descoberta do amor a si própria, essa dádiva que toda mulher deve conquistar para só então se dedicar ao amor para o outro.
    A princípio nos mostras uma mulher no seu momento maior de desolação, com receio de uma tomada de posição, um certo receio de deixar para trás aquilo que já é conhecido.
    segue...

    ResponderExcluir
  41. Mas a partir destes versos: “Vestiu-se com zelo/Pegou a pequena maleta/Abriu a porta e partiu ...” nos trazes uma mulher, retrato fiel da determinação e que agora que conhecia um outro tipo de amor, o amor próprio, estava disposta a desbravar o mundo a partir da preciosa descoberta da importância que tinha como um ser com direito a viver com plenitude as descobertas de si mesma.
    Um belo poema! Dos que mais gostei, amiga!
    Quanto à imagem, como sempre, muito bem escolhida, e casa perfeitamente com os grandiosos versos dessa tua lavra de poemas de primeira grandeza.
    Sorrisos e estrelas no teu caminhar, sempre!
    Helena

    ResponderExcluir
  42. Marilene, deste ontem estou tentando colocar um comentário no teu espaço e não consigo. Achei que podia ser devido ao tamanho (risos) e resolvi fracioná-lo. E não é que deu certo?
    Preciso parar com essa mania de escrever muito, mas é que me empolgo tanto quando gosto de alguma coisa que fico ansiosa por estender o comentário. Um dia eu aprendo a ser mais concisa... (risos)

    ResponderExcluir
  43. Imagem perfeita com a poesia incrível que você poetisou tão lindamente.
    Tem pessoas que se escondem atrás de um amor que não é amor apenas por não ter coragem de se olhar de verdade.
    Um abraço querida amiga.

    ResponderExcluir
  44. E é tão difícil partir de si mesma...
    Uma poesia tocante, profunda, uma história de vida, vivida em tantas vidas...
    Sempre perfeitos, imagem e poema.!

    Estive ausente por uns dias. visitando Belo Horizonte e amei. Dizem que se pensarmos algo ou se desejarmos com vontade o Universo atrai e é verdade. Realizei meu sonho. bjs.

    ResponderExcluir
  45. Reler e reler esta poesia de revolução de alma e de vida é preciso.
    Que felicidade a sua nesta inspiração/construção abençoada com o toque da mão de Deus.
    Eu vibro.
    Lindo demais.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...