20 de novembro de 2014

PASSEIO PELO NADA

(Dominique Hoffer)

                                             

                                 
                                                       
                                 Nos quintais do inverno
                                 Procurei sinais
                                 Do último verão ,
                                 E o fiz em vão.
                                 Nos jardins do outono
                                 Procurei resquícios
                                 De uma primavera,
                                 Tola quimera

                                        As pegadas que pensei deixadas
                                 Apagaram-se,
                                 A beleza do olhar que pensei guardada
                                 Anuviou-se,
                                 Os raios de sol
                                 Dos quais ainda sentia o calor
                                 Desapareceram,
                                 E as flores caídas
                                 Sequer no chão se mantiveram,
                                 Mesmo que desbotadas ou secas

                                 Nada refloresceu ...

                                Tempos idos,
                                Estações outrora coloridas,
                                Bandeiras desbotadas
                                Ainda sacudidas
                                Pelo vento frio

                                Sangra o coração
                                Nas ilusões desfeitas,
                                Mantém a pulsação
                                Para encontrar a cura
                                E preencher espaços,
                                Ora, com inseguros,
                                Fracos, desolados
                                E tímidos passos


                                                                      Marilene




45 comentários:

  1. Bom dia
    Na vida passam os dias apressados levando com eles os nossos sonhos e alegrias.
    Algumas recordações mantêm-se por mais tempo. Talvez essas flores desbotadas que deixámos semeadas e que nunca mais floriram.
    Presentes que recebemos e também vemos desaparecer como se nunca tivessem existido.
    Coisas da vida. Que sempre nos acompanhem as melhores recordações...

    ResponderExcluir
  2. Nada mais é o mesmo, tudo mudou...Triste visão e percepção! Linda poesia! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. uma busca inglória..
    belas linhas melancólicas..
    beijos.

    ResponderExcluir
  4. um poema que é uma ida ao passado, mas com uma nostalgia muito grande.
    no entanto gostei de ler.
    um beijinho

    :)

    ResponderExcluir
  5. Tudo passa rápido demais... Uma pena!
    Temos que nos contentar com as belas lembranças...não palpáveis.
    Belos versos Marlene, gostei muito!
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderExcluir
  6. Creio que o ideal é sempre viver o dia de hoje bem, mantendo a esperança que o amanhã será sempre melhor. As vezes o passado nos deixa marcas, mas recordá-las , somente se vai nos fazer felizes.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. O tempo não volta. A vida é pra frente e contínua.
    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Marilene, fantástico o teu poema.
    E sabe por que é fantástico?
    Porque é um tapa (tapa não, uma porrada!) bem no meio da cara de quem não consegue lidar com o passado e tenta à força esquecê-lo com frases feitas de viver o presente.
    Por que todo esse medo de encarar a morte do que já morreu?
    Eu sempre revisito o passado, sendo ele doloroso ou não, não existiria a Mi de hoje se não fosse por ele.
    Não sejamos hipócritas e vivamos cada dor de cada flor que não refloresceu, de cada recomeço que foi um fracasso para daí, só assim, ter maturidade de seguirmos adiante.
    Fantástico, fantástico!
    Beijos querida e uma ótima noite de quinta para ti.

    ResponderExcluir
  9. Olá Marilene,
    Muito bonito o poema.
    Eu creio que revisitar o passado é em vão.
    É sempre melhor deixar os tempos idos,
    em seus devidos lugares...
    As estações de outrora, jamais reflorescerão.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Boa noite Marilene :

    Um poema que reflecte um certo desencanto pelo tempo passado e que se está a reflectir no presente.
    A poesia sempre mostra algo de nós, penso que amiga quando a escreveu estava nostálgica, mas também sei que é passageiro e que a primavera logo chega e tudo refloresce, vai ver !

    beijinho

    ResponderExcluir
  11. Tenho a sensação de ouvir este poema sussurrado a mim por alguém da janela de uma casa de praia, enquanto observo as ondas se quebrando e o sentimento se anuviando por dentro tal qual o Sol que se põe lá longe...
    Bom sentir tudo isto lendo.
    Belo final de semana, Marilene
    Paz e bem!

    ResponderExcluir
  12. Achei lindo... e triste, quando nada renasce...

    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  13. Marilene, minha linda, grata pela ajuda/alerta lá no meu blog. É falta de tempo para arrumar tudo direitinho e sem pressa, acabo sem tempo nem para revisar o que fiz (risos). Ainda bem que tenho amigas (os) que conseguem, de alguma forma, chamar-me a atenção para o problema. Espero que agora dê para que os comentários saiam a contento, pois é muito precioso para mim o que os amigos falam.
    Quero vir mais tarde para ler/comentar tua postagem. Aqui é um dos lugares que não se pode vir "correndo", pois as preciosidades aqui contidas não podem ser "digeridas" às pressas. Há que se ter tempo para aproveitar tudo.
    Sorrisos no teu dia, estrelas no teu olhar, minha amiga!

    ResponderExcluir
  14. Passos marcados numa poesia de pulso musical: fenomenal! abraços

    ResponderExcluir
  15. TUS LETRAS HACEN QUE SE REGRESE EL TIEMPO.
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  16. TUS LETRAS HACEN QUE SE REGRESE EL TIEMPO.
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  17. As estações, quando revisitadas num passado longínquo, sempre se apresentam destituídas daquela beleza que na época nos pareceu tão significativa. Os raios de sol que antes aqueciam e fazer florescer sonhos e projetos, não deteve o poder para além de um poente... E aí o coração sangra! O que resta é tentar preencher as pegadas vistas agora apenas com o olhar da esperança, e mesmo que de instante pareçam "inseguros, fracos, desolados e tímidos" com toda a certeza voltarão a ter significação nos novos sonhos acalentados.
    Amiga, não foi apenas um passeio pelo nada, pela importância que sempre tem um revisitar como este a um tempo que tanto significou.
    A imagem... indescritível! Ficou-me apenas o apreciar e o sentir!
    Que no teu final de semana tenham sorrisos, estrelas a enfeitar o teu céu interior e meu carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
  18. As estações vão e vêm, mas nunca voltam ao mesmo!
    Somos nós que passamos por elas!

    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  19. Imagem impressionante de revisitação e perda. Depois do calor do Verão, o Outono e o Inverno já não puderam trazer os doces encantos da ilusão, e nem a Primavera conseguiu lançar sementes a germinar para um renovar da vida. Mas os passos, mesmo hesitantes ao princípio, tornar-se-ão mais e mais decididos em direcção a um novo sentir.

    Belo poema, cara Marilene, gostei muito.

    Bom fim de semana.

    Bjs

    Olinda

    ResponderExcluir
  20. Bom dia Marilene.
    O mundo anda apressado, não há tempo para guardar as marcas, para guardar recordações.
    Belo.
    bj amg

    ResponderExcluir
  21. Olá mana,

    Um olhar crítico para o passado pode trazer bons frutos, pois através desse olhar pode-se perceber quais caminhos não devem ser trilhados novamente. Muitas coisas boas estarão por lá, mas se não deram frutos, não merecem se evocadas, pois nada refloresce do que já virou cinzas. Será preciso nova semeadura, com bons grãos, para que a nova colheita seja mais significativa e para proporcionar firmeza aos passos pelas estações vindouras, que terão muito a oferecer em termos de beleza e esperança.
    Lindo o poema.
    Gostei muito da imagem.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  22. Marilene, procuramos sempre encontrar a saída!
    A solução está dentro de cada um de nós, precisamos nos reerguer e voar!
    Bjus e bom final de semana,amiga!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  23. Umas palavras sentidas! Gostei de ler.
    Bjs

    ResponderExcluir
  24. Temos que encontrar forças dentro de nós mesmos para seguir em frente! O tempo não espera e a vida está esperando para ser vivida...

    Bjussssssssss

    ResponderExcluir
  25. Belíssimo, Marilene!
    Deu pra sentir a nostalgia.
    E como sempre, bela combinação do poema com a imagem.
    Abração e ótima semana.

    ResponderExcluir
  26. Olá, Marilene, como vai?
    Apesar de triste, recompartilhei porque achei perfeito poeticamente! Talvez eu tenha nascido no mundo errado. O mundo que sonhei é aquele onde situações como essas não acontecem, passos não se apagam, folhas não desbotam, sempre há um sol em partilha com a nuvem e um passarinho cantando por perto. Até a chuva vem na hora certa, só para refrescar e deixar as folhs orvalhadas. Mas ilusões não se desfazem... fazem parte de um sonho real.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  27. Quando em mim as folhas secas se fazem mais presentes, busco pelo cheiro da Primavera e sinto renascer do perfume e prossigo jornada determinado.
    Belo texto da confusa mente humana para uma vida que quer de nós ação.
    Parabens Marilene.
    Beijos

    ResponderExcluir
  28. É um poema muito bonito. Não se pode viver agarrado ao passado. nem apenas sonhando o futuro. Quem o faz acaba por não viver pois a unica coisa que temos todos os dias é o presente.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  29. "A Cura" talvez esteja nas próprias lembranças. Um lindo poema imerso em saudades. bjs.

    ResponderExcluir
  30. Lindo! Se eu não viver aquele momento que est´a aminha frente, quando eu piscar ele já se foi e só ficará a dor de não ter vivido intensamente o presente e o presente é tão rápido que passa...linda meditação, ameiiii! Grande beijo no coração, poeta especial.

    ResponderExcluir
  31. Alguma nostalgia mas, um lindo poema!
    Bjs

    ResponderExcluir
  32. É preciso haver cura para que possamos seguir em frente.
    Tenha dias abençoados. Bjs

    ResponderExcluir
  33. OLá Marilene! Um ótimo resto de semana pra ti!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Assim é a Vida quando nos propomos olhar para trás!
    Belo Poema. Belos Pensamentos nele insertos.
    Amei.


    Beijos


    SOL

    ResponderExcluir
  35. Passa is preen hence espaços, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  36. Profundo poema, Marilene. Muito bom. Bjs e boa sexta.

    ResponderExcluir
  37. OI MARILENE!
    POR MAIS QUE SE APRESENTE ÁRDUA, A CAMINHADA TEM DE CONTINUAR.
    TEUS VERSOS SÃO LINDOS E PROFUNDOS, COMO SEMPRE OS FAZES.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  38. O presente importa Marilene _ vamos compondo nossa história e cada pedacinho é precioso.
    Belo poema.
    com abraços meus.

    ResponderExcluir
  39. Como sempre gostei deste seu poema, minha amiga.
    Desejo que se encontre bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  40. Belo poema que retrata a busca de tempos idos, mas é necessário que se siga em frente. bjs

    ResponderExcluir
  41. Olá. Marilene
    Bom tudo.

    Vim, desejar-te, um fim de semana, bem bom.
    Muita Paz. Desejos de alegria. Certeza sim, que independente da tua religiosidade, o Criador, está sempre de plantão, olhando por mim e por ti, e nos convidando, a refletir sempre, que o melhor do mundo, somos nós, os seres humanos. Por isso, somos humanos e, criados, à sua semelhança.
    Dito isto, te convido a vim " cumê' um "manuê" cá no meu blogue.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  42. Um passeio pelo nada...mas que diz tanto!

    Ah, simplesmente amei o primeiro verso. ♥ beijos

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...