24 de julho de 2015

... E O TEMPO ABRIU SEU DIÁRIO

(Surreal-Photo_by_xetobyte)
 
                                         

                          Ficam nublados os dias
                          Quando a memória, maldosa,
                          Resolve trazer de volta
                          O passado.
                          Fica sem brilho o olhar
                          Quando as lembranças se impõem
                          Tornando grandes as noites
                          Que impedem o alvorecer

                          Ficam inertes as mãos
                          Que antes acarinharam
                          E aquele frio do outono
                          Passeia pelos cabelos, ora brancos,
                          Cobrindo de desencanto
                          O corpo que já foi rijo
                          E bem torneado
                          E que, agora, deitado,
                          Não vê, ao lado da cama,
                          Quem um dia foi amado
                          (e magoou)

                          Descobre-se, então, que o tempo
                          Resolveu seu diário escancarar
                          Impondo se faça a leitura
                          De adormecidos sentires
                          Que não se quer acordar ...
                          Todas as suas cores empalideceram
                          E todas as suas luzes se apagaram

                          O deserto da saudade
                          Sequer permite a miragem
                          De uma sombra indesejada.
                          Só traria um ser verdadeiro 
                          Se se pudesse desler
                          Os escritos do passado ...
                          Reescrevendo-os


                                                        Marilene




41 comentários:

  1. Não se pode voltar atrás no tempo...é coisa impossível.

    Beijinhos e parabéns pela poesia.

    ResponderExcluir
  2. Um belo poema minha amiga e é impossível ou quase trazer de volta o passado.
    A fotografia está muito bem trabalhada e é espectacular.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. A saudade fica e pode ou não perturbar...Lindo, profundo, como tu tão bem sabes escrever! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. Passado e saudade andando juntos, nao é boa coisa...

    O poema é dolorido, mas belo...

    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  5. Lindo, pois é, a saudade dos tempos passados, enfrentar a realidade da vida, mas sempre há algo que nos reconforta, ainda bem, pois viver é isso mesmo, enfrentar o tempo!
    Amei ler e de volta das férias para de novo me entreter com belos poemas como esse!
    Abraços linda amiga Marilene!

    ResponderExcluir
  6. Oi Marilene, bom dia!
    A saudade como uma impetuosa ventania, fica sempre querendo esparramar os novos sonhos...
    Mas nunca vencerá a nossa ousadia!
    Escrever belos poemas é com você Marilene...
    Grande abraço de um abençoado dia.

    Mariangela

    ResponderExcluir
  7. Memórias que trazem mágoa...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. cores empalidecidas, luzes, sombras...

    Se eu pintasse.. saberia que nem só de verde se pinta a esperança

    ResponderExcluir
  9. O passado é como um círculo vicioso, insiste em nos visitar por mais que olhemos para o futuro... mas é só de vez em quando... ainda bem. Parabéns, Marilene. beijos

    ResponderExcluir
  10. Pois, se pudéssemos reescrever o passado...
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Marilene, evocado a saudade, imaginaste e escreveste um poema bem lindo, porque nele ficou bem construída a imagem dessa saudade nostálgica, que nos pode assolar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá Marilene, belíssimo e emocionante poema.
    Nem sei as palavras para descrever tanta sensibilidade. "Se eu pudesse desler".....
    eu também gostaria de aprender a desler tantas coisas do passado.Marilene, sempre me apaixono pela tua escrita. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Que coisa bonita, Marilene. Um poema pra ser apreciado com calma. Adorei. Bjs e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  14. A memória abre a porta do passado, mas este se cristalizou num deserto,
    sem o privilégio da saudade doce. O passos escolhidos e inscritos ficaram
    por certo gravados no espaço da impossibilidade, quando a mágoa
    escureceu um novo caminho...
    Um poema dorido e belo, acompanhado de uma imagem e título
    harmoniosos e original!
    Um luminoso final de semana,Marilene.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  15. ESOS MENSAJES TUYOS ME ENCANTAN.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  16. Linda e nostálgica saudade que não pode reinventar o passado. bjs

    ResponderExcluir
  17. Não seriamos humanos sem essa palavra (sentimento) triste: Saudade,
    Lindo, lindo!
    beijogrande

    ResponderExcluir
  18. A memória costuma ser vilã quando acorda lembranças adormecidas e indesejadas. O passado não se apaga e também não se reescreve, pois trata-se de uma página virada do diário da vida. Reinventar nova história a partir do passado será sempre temerário quando mágoas compõem páginas do passado. As lembranças podem bailar, mas despidas de saudade, embora vestidas de dor e nostalgia.

    Lindo, mana.

    Bela imagem.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  19. Não seriamos humanos sem essa palavra (sentimento) triste: Saudade,
    Lindo, lindo!
    beijogrande

    ResponderExcluir
  20. Mias um belo e intenso poema amiga Marilene.
    Um passado assim doloroso devia ser esquecido, mas a memória é traiçoeira .

    Um beijinho com carinho

    ResponderExcluir
  21. Muito lindo o poema Marilene
    ah nossa memória que esteja sempre presente mesmo que nos traga recordações tristes,
    boa semana kirida

    ResponderExcluir
  22. Olá Marilene ,

    Poema intenso ... Excelente Momento ...
    Abraço
    Luis Sousa

    ResponderExcluir
  23. Recordações são revivências de Vida. Se o que por ela passou foi suave e agradável, sentimos redobrado prazer, mas se há pesos que não se desprenderam, a mágoa toma conta de nós e nos atormenta.
    Bom Poema.




    Beijos




    SOL

    ResponderExcluir
  24. Reescrever e repassar tudo a limpo.
    Um sonhos que resolveria e muito
    mas o tempo perverso diz não. Passou.
    Muito bonito Marilene.
    Linda semana de paz e alegria.
    Bjs

    ResponderExcluir
  25. memórias, por vezes trazem mágoa, mas, é bom ter memórias pois também ficam os bons momentos, e ter memórias é ter os nossos sentidos a funcionar em pleno.
    Uma boa semana e um
    Beijo
    :)

    ResponderExcluir
  26. Olá Marilene,
    Poema bonito, triste,
    e repleto de verdades.
    Dói demais em nós
    quando o tempo abre seu diário,
    e como é impossível
    escrevê-lo novamente,
    o jeito é proseguir...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  27. Olá, Marilene.
    Da melancolia você fez poema. É a realidade do poeta ;)
    A memória, talvez sem querer, sabe nos fazer sofrer.
    Há que contrariar a palidez das cores e escancarar janelas para que a luz entre na alma.
    bj amg

    ResponderExcluir
  28. Olá, Marilene! Por esse motivo sou a favor do perdão. Se não há mais amor, para libertar ambos e seguirem em frente. Se há amor, para se darem uma nova chance de ser feliz. viver remoendo as dores do passado, ou as belezas de um passado que se foi não leva adiante a alegria da alma. Abraços!

    ResponderExcluir
  29. Ah se pudéssemos "desler", "deslembrar", "desfazer", "desamar"...
    O que passou não tem mais jeito, mas no presente está a chave para
    que no futuro não haja mais arrependimentos...

    Bjussssssssss

    ResponderExcluir
  30. Que delícia perceber a carinhosa resistência de quem consegue dialogar sinceramente com o tempo sem ceder a ele a jovialidade de pensar tão contundente.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  31. OI MARILENE!
    SIM, DESLER, DESAMAR E DESECREVER HISTÓRIAS PODEMOS, SÓ NÃO NOS É POSSÍVEL "DESVIVER" POIS AS MARCAS JÁ NOS PERTENCEM.
    LINDO DEMAIS AMIGA.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  32. Perfeito na mágoa das lembranças,na dor e na memória.Escreves lindamente.Obrigada por visitar meu Blog .Forte abraço

    ResponderExcluir
  33. Perfeito na mágoa das lembranças,na dor e na memória.Escreves lindamente.Obrigada por visitar meu Blog .Forte abraço

    ResponderExcluir
  34. Lindo poema reflexivo, querida Marilene.
    Que pena que não podemos reescrever o que passou, quanta coisa seria escrita de maneira diferente,mas será que seria bom, será que estaríamos hoje onde estamos?
    Sei não, melhor continuar com este viver e só lembrar das coisas boas que nos fazem bem e que não trás lágrimas´, mas só sorrisos.
    Um abraço querida amiga.

    ResponderExcluir
  35. Devíamos conseguir apenas recordar os bons momentos passados, mas infelizmente todos os que nos marcaram ficam guardados.
    Lindo poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  36. Querida amiga Marilene

    Esta é a magia do tempo.
    Lembra o que deseja lembrar...
    Esquece o que deseja esquecer...
    Nos faz submissos a sua vontade...

    Que estrelas brilhem em tuas noites.

    ResponderExcluir
  37. Bonito poema.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  38. Bonito poema.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  39. Sonhos e fantasias que o tempo se encarrega de arrumar.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  40. Ah! esse tempo que impiedoso arrasta as lembranças . bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...