29 de outubro de 2015

DO LADO DE FORA

(Darren-Hopes-UK)

                                         

                          Do lado de fora, isolado,
                          Pensava no fardo
                          Que seria aguentar
                          Aqueles bailados,
                          Aquelas conversas,
                          Aquele som alto, de vozes,
                          Em constante disputa
                          Pra se sobrepor às demais

                          Burguesia,
                          Com a qual não convivia
                          Em seu dia a dia

                          Ostentação que assustava
                          E perigosamente atraía
                          Os que estavam no chão ...
                          Falsas cores
                          Falsos valores
                          Falsa comunhão de ideais.
                          Ideais??
                          Será que existiam, de fato,
                          Naqueles salões
                          De portas fechadas
                          Abertas em frestas
                          Só para os iguais?

                          Conversa sensata
                          Na suposta nata
                          Não encontraria lugar...
                          Tolices ornamentadas
                          A enganar, por longo tempo,
                          Quem vive na superfície
                          E prefere se alimentar
                          De badulaques,
                          Ignorando a essência

                          Desalinhos
                          Contradições
                          Ambições 
                          Em um mundo de ilusões
                          Onde todos se copiam .
                          Um reduto de vaidades
                          Que não comporta
                          As verdades
                          De quem os olha, em silêncio, 
                          De um lado que está lá fora ...

                          E que tem sonhos distintos



                                                     Marilene



38 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Um olhar pela fresta. Sempre me espanto com os soslaios da vida
    beijogrande

    ResponderExcluir
  3. Um olhar bem apurado para o que lá dentro do salão está... Com o que vemos, melhor fora dali ficar! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Ver de fora é bem diferente de participar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Visão plena, com detalhes que sobressaem, quando de fora se olha!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Um olhar posto em poema, gostei.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  7. Muitas vezes são feiras de vaidades. Uma reflexão que nos deixa a pensar...
    Beijo.

    ResponderExcluir

  8. Só olhando de fora é que percebemos o quanto é vazio este mundo de faz de conta,
    É muito triste Marilene, ver as pessoas se alimentando dos falsos valores.
    Amei tua inspiração, valeu!!
    Beijos, com carinho!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  9. As imagens maquiadas e orquestradas para aparecerem o que na realidade não são... Puro engodo na vida!
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Marli Terezinha Andrucho Boldori Bom dia, Marilene, olhar do lado de fora, olhar pela fresta e perceber que os iguais estão dentro, e se atraem com pensamentos e falas repletas de fantasias que mostram um lado repleto de utopias. Há tanto a ser lido e interpretado em seu poema, pois nos leva a várias maneiras de lê-lo. Gostei muito. Beijos! Não consigo publicar nada em seu blog, nem deixar mensagem aqui, por isso , postei meu comentário no aberto. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marli, trouxe seu comentário para cá, mas não entendo porque não está conseguindo publicá-lo no blog. Obrigada!! Bjs.

      Excluir
  11. Lindo olhar pelas frestas, gostei muito Marilene.
    Um abraço querida e agradecida por sua visita.

    ResponderExcluir
  12. O mundo das imitações não é mais que o espelho das faltas de personalidade. Quase ninguém é o que é, mas pensa que se mostra como gostaria. A personalidade é individual, única em cada Ser.
    Um belo Poema de reflexão.
    Parabéns, Marilene.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  13. ME ENCANTAN TUS REFLEXIONES.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  14. Amiga Marilene:
    Uma visão tão realista e reflectiva dum mundo onde só existe vaidade, ambição e vazio de ideias.
    Prefiro estar desse lado, de fora.

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  15. Querida amiga Marilene

    Perdoe-me a ausência.
    Final de ano, para quem ensina
    o tempo fica curto,
    mas estamos sempre visitando
    espaços preciosos que nos fazem tão bem.

    Gostaria de convidá-la a visitar o meu blog
    www.sonhosdeumprofessor.blogspot.com
    onde postei uma entrevista que fiz recentemente
    e que está sendo vinculada na mídia de Fortaleza.

    É também uma forma de entender a forma
    que penso a Educação que acredito
    e a qual dedico a minha vida.

    Um imenso abraço.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderExcluir
  16. A essência é uma coisa cada vez mais ignorada...
    Magnífico poema, numa crítica social muito bem feita.
    Tenha um bom resto de domingo e uma boa semana, cara amiga Marineide.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Nem tudo é perfeito, mas no coração do poeta até a realidade imperfeita dá a inspiração de um belo bailado de palavras.Parabéns! Bjs

    ResponderExcluir
  18. como eu entendo seu poema!
    tão verdadeiro!
    eu chamo "feira de vaidades" e sou sincera, não me seduz.
    muito bom!
    beijo
    :)

    ResponderExcluir
  19. Oi mana,

    Uma beleza de poema, que retrata muito bem o mundo de ilusões em que muitos vivem, já que as luzes do seu mundo ofuscam aquela primordial, que é a da essência de cada um. Um mundo que parece fulgurante, mas que é incapaz de saciar-lhes a sede de algo mais, que mais cedo ou mais tarde, irá conduzi-los a uma busca maior.
    Só para ilustrar, já que me correu enquanto lia a primeira estrofe, li há tempos um conto espírita em que uma jovem, frustrada pela pobreza e por não poder participar dos grandes bailes, onde rolava a riqueza e o riso fácil, foi tocada pelo que ouviu de alguém que lhe disse que a vida que acontecia lá dentro dos salões era mais triste do que a dela, pois muitos sorrisos eram apenas aparentes e para esconder o sofrimento que reinava nos corações de muitos que lá estavam.
    Verdade que quem se encontra em patamar diverso de evolução irá preferir isolar-se a misturar-se à superficialidade que reina entre aqueles que se aprazem com a aparência, a vaidade, o orgulho e a ambição.

    Belo poema reflexivo.

    Adorei a imagem.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Durante esse tempo afastada dos blogs
    senti muitas saudades de todos que
    de alguma forma não deixou por um só dia meu blog sem nenhum comentário.
    Agradeço de todo coração pela fidelidade isso não tem preço
    uma amizade sem questionamento linda e silenciosa
    num carinho de apertar o coração.
    Hoje agradeço pelo apoio no silêncio das horas e dos tempos.
    Uma semana na paz e na luz de Jesus.
    Foi triste meu afastamento
    marcado por perdas e lagrimas doloridas,
    mas Deus nos da um dia recolhe para sua verdadeira Pátria.
    Um beijo carinhoso saudades sem Fim.
    Eva..

    ResponderExcluir
  21. OI MARILENE!
    NESTE LADO DE FORA, ESTAMOS MUITAS VEZES E É DAÍ QUE MELHOR, PODEMOS TIRAR CONCLUSÕES.
    MUITAS VEZES O BRILHO DOS SALÕES, ESCONDE MUITA DOR E TRISTEZAS.
    ADOREI TEU TEXTO.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Causa-me uma volta no estômago a hipocrisia!
    A maior liberdade do homem é poder assumir a sua identidade.
    Muito bom o conteúdo do teu poema, acompanhado de uma estrutura coerente!
    Bjo, querida :)

    ResponderExcluir
  23. O título, a imagem e o conteúdo analítico do poema
    expressam a sua excelência textual, profundidade e
    sensibilidade poética que revelam também a sua bela
    essência, com uma identidade que tem sonhos distintos...
    Estamos na mesma sintonia (não suporto a futilidade), querida Marilene!
    Beijo e abraço recheado de afeto!

    Ps:Adoro a sua presença no meu espaço, sinto a sua luz e
    autenticidade que valorizo muito. Grata!

    ResponderExcluir
  24. O princípio da aparência é, exactamente, a futilidade que se apoderou das sociedades. É uma questão , tão só da educação do berçário. Contudo, é um contra-senso, este fenómeno (negativo) é bem maior dentro da elite escolarizada. Não devia ser assim, mas é... infelizmente.
    Um texto para se colocar na mesa de cabeceira.


    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  25. Muitas vezes fico a pensar no mundo de futilidades que nos cerca e da responsabilidade de nos desviarmos das situações que nos pegam de surpresa, nos enredando em teias das quais não temos como escapar por mais que tentemos fugir da situação. Vivemos em sociedade e ela nos cobra atitudes condizentes com um padrão preestabelecido. Ilusões, vaidades, ostentações, (des)valores, o poder ditado pelas regras daqueles que se acham ‘donos do mundo’ e que, de certa forma, atuam como atores principais em suas encenações. Nós bem sabemos que a futilidade é uma mola muito usada e devemos ter a capacidade de ficar ‘do lado de fora’ para refletir (como o teu extraordinário poema sugere) se devemos ou não adentrar este ‘reduto de vaidades’.
    É gratificante saber que possuímos ‘sonhos distintos’ e que, se somos ‘obrigados’ a uma convivência onde a essência é ignorada, também temos a blindagem necessária para não nos deixarmos envolver pela futilidade dos ‘salões de portas fechadas abertas em frestas...’
    Marilene, minha linda, gosto destes poemas que, além de nos envolverem numa poética cadenciada também nos faz refletir sobre as máscaras usadas, principalmente as que poluem nossa sociedade.
    Deixo-te um sorriso e uma estrela... Tenho-os novamente no coração! Atados junto a um ramalhete de mimosas flores do campo... Das que colhi num venturoso sonho!
    Meu carinho num beijo,
    Helena

    ResponderExcluir
  26. Vaidade... apenas vaidades... inversao de valores... um belo poema que nos leva a reflexao...

    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  27. Ainda Bem que existem Pessoas que se indignam e produzem no núcleo da sua criatividade as Palavras certas para se expressarem desta maneira .
    Ainda Bem que existem Pessoas com Sonhos tão distintos e tão diferentes de muitas manadas e de tantos rebanhos .
    Excelente Poema !
    Um Abraço
    Luis de Sousa

    ResponderExcluir
  28. Um mundo que serve como uma luva a determinado tipo de gente. Nunca frequentei por achar vazio e sem sentido. mas sei que existe, como se comportam, o que pensam e para que vivem. Mas é aquilo, Marilene, quem não tem nada a acrescentar, quem não tem vida interior, precisa viver de aparências e falsidades que, amanhã, não existem mais. Apagam-se com o despertar de um novo dia e não deixam nada que se aproveite. E digo, pessoas assim sofrem, a vida fica sem sentido.
    beijo!

    ResponderExcluir
  29. Boa noite, Marilene.
    Descreveu em poesia um cenário que realmente acontece.
    Infelizmente viver de aparência não acrescentará absolutamente nada a qualquer pessoa.
    Temos que ter essência e conteúdo, isso que fará uma grande diferença em qualquer lugar que estivermos, pois seremos as mesmas pessoas, sem máscaras, sempre!
    Parabéns!
    Tenha uma excelente semana de paz!
    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  30. Sonhos distintos e verdadeiros...
    Abração, menina.
    Em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderExcluir
  31. Sonhos distintos e verdadeiros...
    Abração, menina.
    Em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderExcluir
  32. Gostei de reler o seu excelente poema.
    Tenha uma boa semana, querida amiga Marilene.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  33. Muito atual o seu poema que fala de vaidade, de viver de aparências. Vi uma palestra, ontem ,maravilhosa, na TV cultura sobre exatamente o que retrata tão lindamente no seu poema. Bjs

    ResponderExcluir
  34. Muito atual o seu poema que fala de vaidade, de viver de aparências. Vi uma palestra, ontem ,maravilhosa, na TV cultura sobre exatamente o que retrata tão lindamente no seu poema. Bjs

    ResponderExcluir
  35. Esse poema reflete tão bem o momento que estamos vivendo. E estamos vivendo há muito tempo. Para refletir... bjs

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...