15 de outubro de 2015

TEMOR

(Alia E. El-Bermani)
                                           

                      Tenho medo de nuvens escuras,
                      Prenúncio de lágrimas
                      Que, certamente, vão cair ...
                      Do calor escaldante do sol,
                      Insistindo em manter
                      A ardência das fogueiras
                      Que queimam a paz interior

                      Tenho medo do frio
                      Que não pede agasalhos,
                      Mas que estende seus pontudos galhos
                      Em direção a cada célula do corpo,
                      Deixando-o morto de emoções

                      Tenho medo do vento,
                      Que desatento leva memórias
                      E promessas,
                      Deixando atrás de si
                      Um rastro de acomodações nefastas,
                      A sufocar lancinantes gritos de inconformismo
                      E a cobrir os anseios de dor
                      Da humanidade

                      Tenho medo das sombras
                      Que caminham sem fazer ruído,
                      Dos fantasmas dos sonhos perdidos
                      Libertados em noites insones ...
                      Tenho medo de não poder ser,
                      De viver um estar fictício,
                      De perder os horizontes
                      E as perspectivas

                      Tenho medo do silêncio ...
                      Ele nos faz ouvir
                      A voz da consciência 
                      E a da nossa inconveniente mudez
                      Frente aos tortuosos avessos
                      Que nos mostra o olhar 

                      Só entre os loucos
                      Ainda se pode sonhar
                      


                                                           Marilene



38 comentários:

  1. Identifico-me compartilhando tais temores... sem medos nós não conseguiriamos instigar a sermos cada vez mais corajosos para sermos loucos em meio a tantos "normais"
    Seus poemas são muito bem escritos. Adorei o blog.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Identifico-me compartilhando tais temores... sem medos nós não conseguiriamos instigar a sermos cada vez mais corajosos para sermos loucos em meio a tantos "normais"
    Seus poemas são muito bem escritos. Adorei o blog.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Um belo poema sobre os temores que nos assaltam diariamente.
    Devo fazer parte dos loucos pois felizmente ainda sonho.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  4. Todos temos medos, temores..Linda poesia! No momento, além dos outros, temos medo do ciclone, temporal horrososo aqui em Poa. bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Olá Marilene ,
    Excelente momento de uma Poesia intensa e profunda !!
    Não tenha medo, pois vc é portadora de uma imensa Luz .
    Um Abraço
    Luis de Sousa

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Marilene,
    Todo mundo tem algum tipo de medo...
    Achei imagem e poema perfeitos!
    Prefiro ser sempre louca,
    e nunca parar de sonhar...
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Marilene.
    Adorei o poema, e a ilustração é muito bonita também.
    Alguns medos são inexplicáveis, mas sempre existirá um motivo para cada um deles, só que a gente não consegue descobrir sozinhos.
    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  8. OI MARILENE!
    A DESESPERANÇA CAUSA MEDOS QUE NÃO SABEMOS EXPLICAR, APENAS SENTI-LOS.
    LINDO DEMAIS AMIGA.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Então fiquemos entre os loucos para podermos sonhar sem medo...
    Belo poema!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Marilene

    este poema está excepcional , talvez um dos melhores que já li seus.

    e depois de tão graciosamente falar dos nossos temores, fecha o poema com uma sabedoria que me encantou.

    só entre os loucos
    ainda se pode sonhar

    sublime!

    também gostei da imagem, tão perfeita como bela.

    bom fim de semana.

    beijo

    :)

    ResponderExcluir
  11. Belíssimo poema, mana.
    Você delineou com arte e beleza os temores que usualmente podem perturbar a alma humana e deu ao poema um fecho perfeito.
    Sejamos loucos, então, para não perdermos a capacidade de sonhar.

    A imagem escolhida está muito bem sintonizada com o foco do poema.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. SIEMPRE TUS PENSAMIENTOS LLENOS DE SABIDURÍAS.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  13. Sou louco por ti! Que tudo apareça de mansinho.
    Bj

    ResponderExcluir
  14. Belíssimo poema Marilene!
    Lindo poema sobre o me medo,parabéns.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Muito bom.

    Todos sentem medos, até as pessoas aparentemente mais frias. A diferença está na coragem.

    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Creio que os seus temores tão bem ilustrados com os fenômenos da natureza assombram a todos nós, Adorei, como sempre. bjs

    ResponderExcluir
  17. Querida Marilene,

    Um poema magistral, numa profundidade textual sobre a nossa
    fragilidade humana; o medo, que todos nós percorremos por
    caminhos de singulares registros. Mas, na última estrofe,
    o chamamento para a coragem da irreverência, a loucura da
    libertação, dos sonhos sobre a "realidade"...
    "Só entre os loucos
    Ainda se pode sonhar"
    Apreciei muito!!!
    Bjos.

    Ps: Sinto muito pelo fato vivido que relataste,
    eu compreendo totalmente...

    ResponderExcluir
  18. Fiz um primeiro comentário que não sei se entrou ou não... na dúvida, vou tentar repetir o que disse:
    Há medos legítimos.
    Que até os que sonham têm...
    Gostei imenso do seu poema, ele é "apenas" EXCELENTE...!!! Do princípio ao fim, e fechado com chave de ouro como convém na poesia (não é nada fácil).
    Marilene, minha querida amiga, tenha uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Impressive poem! Fears are part of our lives.
    Nice picture!
    Greetings

    ResponderExcluir
  20. Marilene, dizem que, num grupo de trabalho, quando não acontece nada, algo está mal. Quanto a mim, o belo poema refletirá a ideia. Realmente só podemos temer o que se oculta a nossos olhos.
    Gostei do imaginativo poema.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. As vezes tenho medos assim... descreveste bem o que sinto... mas é preciso ser um pouco louco para poder ainda sonhar...

    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  22. As vezes tenho medos assim... descreveste bem o que sinto... mas é preciso ser um pouco louco para poder ainda sonhar...

    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  23. O medo existe, mas temos que aprender a conviver com ele. Creio que podemos amenizá-lo mantendo uma fé coerente em nossos corações. Sonhar sempre é preciso...
    Um abraço. Élys.

    ResponderExcluir
  24. Diria que esse teu poema é o que mais gostei aqui, achei lindo, comovente, um medo, uma angústia que quase passa para o lado de cá...
    Beijos + beijos!

    ResponderExcluir
  25. Segredo, paixão, lembranças e desejos tudo num segredo que os olhos tentam desvendar,
    E dormem nos sonhos e não se pode perder este olhar.
    Bonito trabalho e inspiração.
    Meu abraço de paz

    ResponderExcluir
  26. Querida Marilene.

    O que dizer perante um poema que brotou da alma e que contem tanta verdade e sofrimento.
    Partilho completamente destes temores, mas seria incapaz de os definir com tanta mestria.

    Um beijinho comovido

    ResponderExcluir
  27. Muitos são os medos que atormentam a nossa vida, mas há que conseguir forças para lutar contra eles e vencê-los.
    Nostálgico e belo.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  28. Medos e temores que por vezes nos assolam e nos incomodam! Penso sempre ser capaz de os superar! Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  29. OI MARILENE!
    PASSANDO PARA RELER E TE DEIXAR MEUS VOTOS DE UM ÓTIMO FINAL DE SEMANA.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  30. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei imenso de reler o seu notável poema.
    Marilene, minha querida amiga, tenha um bom domingo e uma boa semana.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  31. Muito bom! Forte sem ser pesado. Pesado que nos inspira força!

    ResponderExcluir
  32. Os medos, são um aviso,
    Daqueles que a vida dá.
    E quando nos é preciso,
    Por algo, feito juízo,
    Ele nos avisará.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  33. Olá Marilene.

    O medo intenso assombra, mas um pouquinho sempre é preciso sentir.
    E que possamos estar entre os sonhadores.

    Aqui sempre uma bela poesia. Parabéns.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  34. Media fazem parte do aprendizado abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  35. Ainda bem que somos um bando de loucos dispostos a sonhar!!!! Gente normal me dá nos nervos kkkk. Gente que é muito lógica e prática sofre demais. Os loucos, que sonham se dão ao prazer de viver melhor, em um mundo mais suave... Viva a loucura!!!!

    Bjusssssss

    http://marciagrega.blogspot.com.br/2015/10/cada-um-ama-como-pode.html

    ResponderExcluir
  36. Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
    Pois se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
    Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  37. Marilene, também tenho estes medos e temores.
    Linda sua poesia, um abraço.

    ResponderExcluir
  38. Os loucos também terão os seus medos, mas não daqueles que nos fazem sentir sãos!
    Sadia será então a loucura do poeta..
    Gostei imenso, querida Marilene!
    BJO :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...