11 de novembro de 2015

O CARROSSEL DAS ILUSÕES

(Chris Dellorco)

                                          

                           Nas asas de seus pensamentos
                           Já voaram sonhos  que,
                           Vez ou outra, pousavam
                           Nas estrelas,
                           Sempre intangíveis
                           Quando outra luz,
                           A da realidade, se fazia presente ...
                           Uma corrente de dor
                           Aprisionava-os

                           O sangue ainda lhe fervia nas veias
                           O corpo ainda conhecia o prazer da dança
                           Os ouvidos ainda tinham consciência
                           Dos sussurros ...
                           Mas o quarto permanecia escuro
                           E irreconhecível,
                           Sem a luminosidade daquele olhar

                           Das asas retirou as penas,
                           Uma a uma,
                           Sufocando os gemidos de agonia.
                           Tardia e fria se mostrou
                           A espera
                           E o cansaço dominou-lhe os passos

                           Cessaram os galopes de deslumbre
                           E em pó se transformaram
                           As fantasias que, antes,
                           Com apenas um abraço,
                           Desdobravam-se por todo o espaço

                           O avesso do riso se tornou roupagem ...
                           Estava destruído
                           Mais um carrossel de suas ilusões 


                                                           Marilene




33 comentários:

  1. Intenso sentimentos nessa bela inspiração e poesia Marilene! Beleza! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Lindo um belo poema minha amiga e que continue cheia de inspiração par nos oferecer mais belos poemas.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  3. Lindo demais! Parabéns!
    Beijos, tudo de bom!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Marilene,
    Algumas ilusões são doces, e quando se desfazem,
    cair na real pode ser doloroso...
    Versos melancólicos, mas bonitos!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Um belo poema porém, na vida as vezes surgem estas desilusões.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  6. Ah! Estou hoje me identificando com seu poema.bjs linda você sempre surpreendente.

    ResponderExcluir
  7. Ah! Estou hoje me identificando com seu poema.bjs linda você sempre surpreendente.

    ResponderExcluir
  8. É o carrocel da vida!
    Uns dias bons... outros, nem por isso!
    beijinhos!

    ResponderExcluir
  9. Sonhos que noutros sonhos se desdobram...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Olá mana,

    A ilusão distorce a percepção, o que leva uma pessoa a enxergar algo onde não existe, criando expectativas frustrantes. O resultado das ilusões quase sempre desaguam em dores. É quando a verdade chega, levando à desilusão. Quem sonha o inatingível deve se preparar para a desilusão. Sonhar é preciso. Voar também, mas sempre deixando um pé no chão, para que a queda, se acontecer, faça menos estragos.

    Poema belíssimo e muito bem inspirado.

    Gostei demais.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Que bela descrição poética, pincelada por uma sensibilidade
    à flor da pele...
    No primeiro momento o encantamento povoando o pensamento
    com belas paisagens vividas, registadas também na memória da pele.
    No segundo momento, o voo percorreu incógnitas, trazendo dúvidas
    e no terceiro momento, a constatação da desilusão.
    A imagem tão bela, acompanha o poema e o título, todos
    numa composição de harmonia e beleza poética.

    Querida Marilene, cada vez mais, adoro e me identifico
    com a sua arte poética (literária)!
    Bjos.

    ResponderExcluir
  12. é a vida em sua permanente mutação, há dias bons e outros menos bons, mas também vivemos de nossas ilusões...
    melancólico mas um poema muito belo.
    beijo
    :)

    ResponderExcluir
  13. As ilusões sempre se desfazem, o que fica é a realidade que podemos transformar e pintar com as cores que pulsam em nossos corações.
    Uma ótima noite, beijos

    ResponderExcluir
  14. Assim a vida vai nos ensinando....
    Bjbj Lisette.

    ResponderExcluir
  15. A sensibilidade e a excelência, são dois rios que correm em paralelo dentro de você !
    Na corrente desses dois rios flutuam destroços, que você transforma em jangadas que te levam a lugares que dão aso à tua criação !
    Um Abraço
    Luis de Sousa

    ResponderExcluir
  16. Algumas ilusões nos mantém fora da realidade, alteram os fatos em nosso olhar. E quando constata- se que ela se desfez,surge o desencanto.
    Belíssimo poema.
    Um abraço, Sônia.

    ResponderExcluir
  17. TUS LETRAS SON UN GRAN MENSAJE!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  18. Há ilusões que são terríveis quando acabam.
    O seu poema retrata isso muito bem.
    Excelente trabalho poético, gostei imenso das suas palavras.
    Bom domingo e boa semana, minha querida amiga Marilene.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  19. Nas asas da ilusão e da imaginação nos deixamos ir, tantas vezes, mantendo embora a consciência de que a realidade é outra. Mas, enquanto estamos nesse lugar movimentamo-nos com à-vontade, com prazer, é a nossa fuga controlada, momentos só nossos que nos fazem elevar a alma para outras paragens. O nosso coração bate compassadamente, o sorriso aflora-nos os lábios. Um mundo sem fronteiras. Viagens através de nós e do que nos rodeia. O nosso equilíbrio interior é que nos traz de volta, sabendo destrinçar momentos de enlevo em relação às nossas obrigações diárias em que temos manter os pés assentes na terra. Somos assim. Seres possuidores de uma riqueza imensa, multiplicando-nos indefinidamente.

    Cara Marilene, muito obrigada por este belo poema.

    Bj

    Olinda

    ResponderExcluir
  20. A ilusão é a mola que nos impulsiona na vida... Quando se perde a ilusão tudo está perdido!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  21. Querida Marilene:
    Um poema tão belo e sofrido.
    A maioria das ilusões tem este desfecho muitas vezes, mas o carrossel não pode parar !

    Um beijinho com amizade



    ResponderExcluir
  22. Lindo, querida Marilene, que nunca lhe falte inspiração e com certeza vem do céu, por que nos emociona e nos cativa cada vez mais.
    Um abraço e lindos dias inspiradores.

    ResponderExcluir
  23. OI MARILENE!
    ESTIVE EM TEU BLOG "VISÃO FEMININA", E VIM LOGO PARA CÁ SABER SE ESTAVAS A TE DESPEDIR DESTE TAMBÉM, MAS ALIVIADA VEJO QUE NÃO.
    TEU TETO, COMO SEMPRE ENCANTA.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. As desilusoes fazem parte do carrossel da vida... poema lindo...

    Beijos, Marilene...

    ResponderExcluir
  25. O carrossel da vida!Entre fantasias ilusões e realidade!
    Parabéns! Belo poema Marilene.
    Agradeço o seu carinho em meu blog.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  26. O carrossel da vida!Entre fantasias ilusões e realidade!
    Parabéns! Belo poema Marilene.
    Agradeço o seu carinho em meu blog.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  27. A Vida, em si mesma, é um grande carrossel. Rodamos e não saímos do lugar. É a ilusão dum percurso que não conhecemos o fim.
    Poema grande e de muito sentimento.

    Beijo
    SOL

    ResponderExcluir
  28. É o carrocel da vida, pleno de ilusões e desilusões.
    Lindo poema
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  29. Olá Marilene.
    Gostei de seu "O Carrossel das Ilusões", um poema inspirado, e que deve ter exigido transpiração, que, como dizia o nosso grande poeta João Cabral,
    é imprescindível para o bom poema.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  30. Carrossel de ilusões pode ser chamado popularmente de vida, Marilene. Adorei o poema. Bjs e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  31. Gostei de reler o seu magnífico poema.
    Mas fico à espera de mais...
    Tenha um bom fim de semana, minha querida amiga Marilene.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  32. Do riso fez-se o pranto e espalhou por todos os cantos.
    A solidão e desilusão se alimentam dos sonhos perdidos.
    Bonita e triste inspiração que só a poesia orna e transforma.
    Muito bom Marilene.
    Abraços e boa paz.
    Beijos

    ResponderExcluir
  33. Ainda que se tome consciência da realidade, a verdade é que a ilusão está/estará sempre presente, sobretudo nas relações amorosas.
    E este poema (bem adequado o título) dá conta desta ideia: o carrossel dá voltas, sobe e desce; tal como nós: voamos, pousamos, voamos, pousamos... A intensidade e a duração destes movimentos giratórias é que conferem a diferenciação das etapas da vida.
    Muito bom, parabéns!
    Bjo, Marilene :)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...